NBA relaxa controle a time olímpico dos EUA

segunda-feira, 9 de junho de 2008 11:59 BRT
 

BOSTON (Reuters) - A NBA não adotará medidas para "amordaçar" os atletas que disputarem a Olimpíada de Pequim, apesar das intenções da liga de entrar no mercado chinês, disse no domingo comissário da NBA David Stern.

Dois dos principais destaques do time favorito à medalha de ouro, LeBron James e Kobe Bryant, concederam recentes entrevistas em que conclamam o governo chinês a usar sua influência sobre o Sudão para controlar a violência na região de Darfur.

Bryant, James e vários outros jogadores da NBA trabalham para a ONG Aid Still Required.

Em seu site (www.aidstillrequired.org), a entidade diz que recentemente divulgou uma mensagem publicitária com Bryant pelos canais ESPN e Fox Sports Net.

"Estou aqui não como indivíduo, mas como comissário da NBA, e minha opinião é de que pessoas como nossos jogadores são livres para se pronunciarem e terem suas opiniões", disse Stern em entrevista coletiva antes do segundo jogo da final da NBA, entre Boston Celtics e Los Angeles Lakers.

"Eles foram incentivados a ter tais opiniões pelo USOC (Comitê Olímpico dos EUA) e pelo COI (Comitê Olímpico Internacional), e acho que deveria ser assim."

Enquanto alguns astros da NBA pressionam a China a respeito de questões de direitos humanos, a liga propriamente dita afirmou que vai se empenhar em ajudar as vítimas do recente terremoto que abalou o país.

(Por Steve Keating)