May 2, 2008 / 12:38 PM / 9 years ago

Hong Kong celebra tocha, mas tem protestos

4 Min, DE LEITURA

<p>O maestro da orquestra de Hong Kong, Yip Wing-sie, carrega a tocha ol&iacute;mpica durante o revezamento em 2 de maio de 2008. Photo by Reuters (Handout)</p>

Por James Pomfret

HONG KONG (Reuters) - A tocha olímpica passou na sexta-feira por Hong Kong, num festivo regresso à China após uma turbulenta turnê mundial. Mesmo assim, houve confrontos entre a multidão nacionalista e alguns manifestantes, e oito ativistas chegaram a ser detidos.

A segurança em torno da tocha foi rígida, às vezes com até 16 guardas chineses com agasalhos esportivos e policiais em motos escoltando os atletas que a carregavam. Com as ruas fechadas, a multidão foi mantida afastada e se acotovelava para conseguir ver o evento.

A chama simbólica foi levada a pé, a remo, a cavalo e também num iate, através da famosa baía local.

Os manifestantes ficaram isolados em cercados, o que não impediu eventuais confusões. Eles exigiam que o regime chinês honrasse a promessa de melhorar os direitos humanos, feitas quando Pequim recebeu o direito de organizar a Olimpíada de 2008.

No começo do dia, simpatizantes do evento cercaram e xingaram um pequeno grupo de manifestantes que agitava uma bandeira do Tibet e reivindicava liberdade religiosa. A polícia tentou impedir que eles hasteassem a bandeira e levou oito ativistas para um camburão, junto com um chinês que tentara arrancar a bandeira deles. As autoridades disseram que o grupo foi detido para sua própria segurança, e liberado em seguida.

"Foi um truque muito sujo, porque acho que foi uma decisão política nos retirar dez minutos antes de a tocha chegar aqui", disse a manifestante Christina Chan à Reuters.

Em outro incidente, um idoso solitário, que segurava um cartaz incentivando o diálogo da China com o Dalai Lama, líder espiritual tibetano no exílio, foi cercado por transeuntes que rasgaram suas roupas e o chamaram de traidor.

"Eu só estava expressando minha opinião. Que direito eles têm de me tratar assim? Eles são incivilizados", queixou-se posteriormente o taxista Ng Pun-tuk, de 72 anos.

Hong Kong, ex-colônia britânica, pertence à China, mas goza de autonomia política e econômica em relação ao regime comunista. O governo local foi criticado por ter adotado medidas excepcionais, como impedir a entrada de três militantes pró-Tibet e de um artista dinamarquês engajado, entre outros.

A multidão nacionalista também tentou impedir o avanço da passeata de um grupo que realiza manifestações anuais para lembrar a repressão aos protestos de 1989 na praça da Paz Celestial.

Em outros pontos do território, universitários agitavam bandeiras chinesas diante de cartazes de manifestantes e cantavam o hino nacional para abafar os gritos por democracia.

"Estamos aqui pacificamente expressando nossos ideais, que amamos a China e a pátria", disse o estudante Yu Xiang.

Agora, a expectativa é de menos protestos no percurso da tocha pela China, exceto talvez na etapa tibetana, em meados de junho. A tocha será usada para acender a chama olímpica na cerimônia de abertura dos Jogos, em 8 de agosto.

A próxima etapa do percurso será Macau, ex-colônia portuguesa, hoje também um território autônomo, que recebe muitos visitantes por causa de seus cassinos.

Um "clone" da tocha espera o tempo melhorar para ser levada até o topo do monte Everest, na fronteira entre Tibete e Nepal.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below