Liberação de jogadores preocupa seleção olímpica, diz Jorginho

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008 19:52 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Além de poucos jogos de preparação para a Olimpíada de Pequim, o Brasil terá dificuldades para contar com os atletas acima de 23 anos em tempo hábil para a disputa do torneio. Segundo o auxiliar técnico Jorginho, a seleção vai ter de contar com a vontade do jogador convocado e com o bom senso dos clubes.

"Temos um bom relacionamento com os clubes europeus... Mas, a realidade é que isso vai ficar por conta do próprio atleta; do desejo dele de jogar a Olimpíada", declarou o auxiliar técnico da seleção brasileira nesta terça-feira.

"Ele (o atleta) terá de fazer o meio de campo entre o clube e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para que a liberação aconteça", acrescentou Jorginho.

O ex-lateral Leonardo, assessor do Milan, disse que o clube italiano pode dificultar a liberação de Kaká porque a equipe estará fazendo a pré-temporada para 2008/2009.

"A Olimpíada é disputada durante as fases preliminares da Liga dos Campeões, que é um torneio que representa muito para a economia dos clubes. Se o Kaká for convocado e o Milan tiver de disputar esta fase, o clube ficaria sem ele em duas partidas fundamentais para o restante da temporada", afirmou Leonardo em entrevista ao canal SporTV.

Para a Olimpíada de agosto, a seleção fez, até agora, apenas um jogo, em dezembro, contra os melhores do Campeonato Brasileiro. Na semana passada, vários atletas com idade olímpica estavam entre os convocados para o jogo com a Irlanda, mas poucos foram aproveitados. A intenção da comissão técnica é usar mais dois amistosos para treinar a equipe.

A seleção brasileira ainda não anunciou o nome dos três jogadores acima de 23 anos que disputarão os Jogos de Pequim. O zagueiro Juan (Roma), o meia Kaká e o atacante Robinho (Real Madrid) estão entre os mais cotados.

"Temos pensado bastante nos nomes para a definição desses três nomes. Depois que definirmos, vamos partir para uma negociação direta. Vão surgir barreiras e dificuldades na liberação, mas esperamos que o bom senso prevaleça", declarou Jorginho.

A medalha de ouro olímpica é o único título que o Brasil ainda não ganhou no cenário mundial.

"Vai ter cobrança porque se trata do futebol brasileiro. Muitas gerações já tentaram e não conseguiram. Todos esperam uma conquista, mas sabemos da dificuldade que é", disse Jorginho, que não se sente ameaçado em caso de um novo fracasso na luta pelo ouro olímpico.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)