Havelange diz que falta estrutura mas promete luta por Rio-2016

segunda-feira, 7 de julho de 2008 19:57 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente de honra da Fifa e membro do COI João Havelange considera que a infra-estrutura aeroportuária, hospitalar e hoteleira, além da segurança, são os pontos mais vulneráveis da candidatura do Rio de Janeiro para sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

"São preocupações muito grandes. Devemos fazer de tudo para oferecer os Jogos pela primeira vez no Cone-Sul, mas não será fácil", disse ele a jornalistas na Associação Comercial do Rio nesta segunda-feira.

Presente ao mesmo evento, o presidente do COB e da comissão de candidatura do Rio para 2016, Carlos Arthur Nuzman, preferiu o silêncio. "Não vou comentar. Deixa ele falar", afirmou.

A escolha da sede dos Jogos de 2016 acontecerá no ano que vem, e o Rio concorre com Chicago (EUA), Madri (Espanha) e Tóquio (Japão).

"Não podemos ter uma falha porque isso repercute muito mal... temos que lutar e mostrar que temos condições", acrescentou Havelange, que terá 100 anos em 2016.

O ex-presidente da Fifa fez duras críticas ao aeroporto internacional da cidade. "Você chega ao Rio e tenta ir no toalete, mas não consegue. Eu não tive coragem. Não estamos administrando, preparados, levam sem responsabilidade. Temos que modificar pensamentos e sentimentos."

"É como se eu convidasse alguém para ir na minha casa e entrasse pela porta da cozinha", completou Havelange ao lembrar que o movimento de pessoas durante uma Olimpíada cresce vertiginosamente.

Ele alertou que serão necessários investimentos vultuosos na cidade para colocar o Rio em condições de receber os Jogos. Havelange lembrou que a candidatura francesa aos Jogos de 2012, que ocorrerão em Londres, tinha cerca de 80 bilhões de reais disponíveis para serem aportados em uma das cidades mais modernas e visitadas do mundo.

"Precisamos de uma soma importante. Os governos já sabem disso...Tive com o presidente Lula, que se comprometeu que nada faltaria. Essa compromisso também tive do governador Sérgio Cabral e do prefeito César Maia", declarou Havelange.

Apesar das limitações, Havelange acredita que a escolha do Rio como sede de 2016 é possível e prometeu se empenhar para o sucesso da candidatura. "Em Pequim irei ver os 115 membros do COI responsáveis pela escolha. Nosso país precisa dessa honra. Farei uma carta diferente a cada um dos membros do COI", finalizou.