Determinado, Phelps redefine a natação

sábado, 16 de agosto de 2008 02:44 BRT
 

Por Crispian Balmer

PEQUIM (Reuters) - Michael Phelps cresceu olhando para o fundo de uma piscina. Dia após dia, ano após ano ele treinou em seu clube, construindo sua força, aperfeiçoando sua técnica e alimentando sua ambição de redefinir as barreiras de seu esporte.

Neste sábado, todo o trabalho árduo foi compensado quando ele conquistou sua sétima medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim, igualando o recorde de Mark Spitz ao ganhar sete ouros numa mesma edição dos Jogos e garantindo a si mesmo um lugar no panteão dos grandes do esporte de todos os tempos.

"Ele pode ser humano, mas ele vem de um outro planeta", declarou o nadador russo Alexander Sukhorukov, no início da semana, depois que Phelps, de 23 anos, chegara mais perto de deixar sua marca.

"De uma galáxia diferente", acrescentou o russo.

Bob Bowman, técnico de Phelps, notou seu potencial quando ele tinha 11 anos de idade, dizendo a seus pais que ele tinha um futuro dourado pelo frente tão longo quanto fosse sua total dedicação à natação.

Phelps abraçou o sonho e sacrificou qualquer pretensão de uma vida normal em busca de sua glória.

Sair para jogar boliche com os amigos estava fora de cogitação, para prevenir qualquer tipo de contusão, festas até altas horas da noite eram proibidas e possíveis namoradas eram deixadas de lado para sobrar mais tempo para os treinos.

Contudo, Phelps não tem nenhum arrependimento, pelo contrário, revela que suas proezas não apenas o transformaram em milionário, mas também trouxeram mais visibilidade para um esporte que luta com dificuldade pela atenção dos americanos atrás dos favoritos basquete e beisebol.   Continuação...

 
<p>O norte-americano Michael Phelps se apronta para nadar os 100 metros borboleta, em Pequim. Photo by Wolfgang Rattay</p>