23 de Agosto de 2008 / às 16:37 / 9 anos atrás

EUA se redimem na pista no 4x400m e Bekele vence os 5.000m

Por Mitch Phillips

PEQUIM (Reuters) - O etíope Kenenisa Bekele se tornou o primeiro atleta a vencer as duas provas de longa distância do atletismo na mesma Olimpíada em 28 anos, ao conquistar o título dos 5 mil metros na última noite das competições no estádio Ninho de Pássaro, neste sábado.

O sucesso africano na pista se completou com a vitória do queniano Wilfred Bungei nos 800 metros e da compatriota Nancy Jebet Langat nos 1.500 metros.

Andreas Thorkildsen, da Noruega manteve seu título no lançamento de dardo, mas houve surpresa no salto em altura, onde Blanka Vlasic perdeu para a belga Tia Hellebaut.

Os Estados Unidos, que sofreram um duplo desastre nas provas de revezamento 4x100m, se redimiram na pista ao vencerem a prova de 4x400m feminino e masculino, no tradicional encerramento da última noite do atletismo.

Bekele, que manteve seu título nos 10 mil metros no domingo passado, quis melhorar sua performance nos 5 mil metros em Atenas-2004, quando foi prata, e, como detentor do recorde mundial, igualou o resultado de sua compatriota Tiruneh Dibaba nas provas de longa distância.

A corrida seguiu um padrão previsível, com Bekele seguido de seu irmão Tariku e com o terceiro etíope, Abreham Cherkos, na sequência. Ao ouvir o sinal de última volta, Bekele acelerou para vencer confortavelmente.

Seu tempo de 12min57s82 foi recorde olímpico e fez dele o primeiro atleta a vencer as duas provas de longa distância depois de seu compatriota Miruts Yifter.

O Quênia ficou com duas medalhas na prova, com Eliud Kipchoge ficando com a prata e Edwin Cheruiyot Soi, com o bronze.

LANGAT SURPREEMDE

Bungei finalmente conquistou o título que seu talento prometia há anos ao dominar a prova dos 800 metros.

A corrida estava aberta depois que vários competidores de ponta fracassaram em passar pelas semifinais e o corredor queniano de 28 anos venceu com o tempo de 1min44s65.

Ismail Ahmed Ismail, do Sudão, ficou com a prata, e o também queniano Alfred Kirwa Yego, campeão mundial, com o bronze.

"Quando olho para onde estava em 2001 nunca esperaria ainda estar correndo, mas estou contente por ter continuado", afirmou Bungei.

A vitória de Langat foi mais do que uma grande surpresa, já que a atual campeã mundial e favorita Maryam Yusuf Jamal, do Barein, estava na liderança ao tocar o sino da última volta.

No entanto, sua força acabou e Langat a ultrapassou faltando 250 metros e venceu facilmente com um tempo de 4min00s23. A Ucrânia ficou com a prata e o bronze com Iryna Lishchynska e Nataliya Tobias.

"Eu fique muito surpresa", disse Langat. "Eu sabia que Jamal estava forte e esperava vencer. Eu apenas fiquei atrás delas e então apertei o passo nos últimos 300 metros."

DUAS TENTATIVAS

Depois dos fracassos nos revezamentos masculino e feminino 4x100m, quando os atletas derrubaram os bastões, os Estados Unidos queriam provar que não vieram a Pequim para brincar e mostraram isso quando a equipe entrou na pista com seu uniforme vermelho em vez do azul que usou durante toda a Olimpíada.

"Acho que isso nos deu uma nova atitude para ir lá e vencer", afirmou Sanya Richards, integrante da equipe feminina norte-americana.

"Eu sabia que tinha que fazer um grande esforço para ajudar nosso time a vencer e estou feliz que conseguimos fazer isso. Vim à Olimpíada para conquistar a medalha de ouro e quando vi que isso iria acontecer eu fiquei muito empolgada", acrescentou ela.

Havia uma atleta de camisa vermelha liderando a prova nos últimos 25 metros da última perna, mas era a russa Anastasia Kapachinskaya.

No entanto, Richards, que perdeu o esperado ouro na corrida individual, fez uma corrida impecável e assegurou o ouro com o tempo de 3min18s54, o melhor tempo em 15 anos. A Jamaica ficou com o bronze.

LaShawn Merritt, Jeremy Wariner e David Neville, os três medalhistas individuais dos 400m, e Angelo Taylor, campeão dos 400m com barreiras, chegaram à frente dos times das Bahamas e da Rússia.

As duas vitórias fizeram os Estados Unidos superarem a Jamaica e a Rússia no topo da tabela de medalhas do atletismo, com sete ouros, faltando apenas a prova de maratona, no domingo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below