25 de Junho de 2008 / às 13:55 / 9 anos atrás

COI investiga ataque a Dalai Lama na chegada da tocha ao Tibete

Por Nick Mulvenney

PEQUIM (Reuters) - O Comitê Olímpico Internacional (COI) investiga um discurso proferido pelo chefe do Partido Comunista do Tibete no fim de semana, quando a tocha olímpica passou pela capital tibetana, e no qual foram desferidos ataques contra o Dalai Lama.

Mas não se sabe exatamente o que o COI, que não deve recorrer à sanção máxima de retirar os Jogos de Pequim, poderia fazer a esse respeito.

A diretora de comunicações do órgão, Giselle Davies, disse que os organizadores dos Jogos (Bocog) haviam sido instados a fornecer detalhes sobre o discurso de Zhang Qingli em Lhasa e que o órgão “lamentaria muito” caso os relatos dos meios de comunicação a respeito do episódio fossem precisos.

Zhang, um membro da linha-dura do partido, fez os comentários em uma cerimônia realizada no sábado para celebrar a conclusão da passagem da tocha olímpica pelas ruas de Lhasa, que foi palco de violentos protestos anti-China em março.

“O céu do Tibete nunca mudará e a bandeira vermelha com as cinco estrelas continuará a tremular para sempre no alto dele. Com certeza, conseguiremos esmagar totalmente os planos separatistas do grupo do Dalai Lama”, afirmou Zhang.

O governo chinês responsabiliza o líder espiritual do Tibete, Dalai Lama, hoje exilado, e os seguidores dele pelos distúrbios de 14 de março ocorridos em Lhasa e acusa-os de tentar separar a região da China.

O país costuma atacar o Dalai Lama, mas não em eventos olímpicos. Os chineses criticaram outras pessoas por politizarem os Jogos, e os estatutos do COI vetam qualquer tipo de propaganda ou manifestação política nos “locais ou áreas das Olimpíadas.”

O Dalai Lama nega ser o responsável pelos distúrbios e diz que deseja apenas que o Tibete tenha uma maior autonomia e liberdade religiosa. O líder espiritual convocou seus simpatizantes a darem apoio aos Jogos e à passagem da tocha olímpica pela região.

O chefe do Partido Comunista de Lhasa, Qin Yizhi, também atacou o Dalai Lama em outra cerimônia realizada na passagem da tocha por Lhasa, no sábado, afirmando que seu governo “esmagaria os planos do grupo do Dalai Lama.”

A disputa em torno do Tibete lançou uma sombra sobre o périplo da tocha, algo em que a China apostava para projetar a imagem de um país moderno e vibrante antes dos Jogos.

Mas os distúrbios de março transformaram-se em um foco de protestos anti e pró-China em cidades nas quais a tocha esteve, como Londres, Paris e San Francisco. O cenário deixou o COI preocupado.

Na quarta-feira, o governo chinês disse que o périplo internacional da tocha paraolímpica havia sido cancelado e citou como motivo o violento terremoto de 12 de maio, em Sichuan.

A tocha deveria passar por Londres, Vancouver, Sochi e Hong Kong antes das Paraolimpíadas, previstas para ocorrer entre os dias 6 e 17 de setembro.

Reportagem de Chris Buckley

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below