Al Qaeda ataca, mas Rali Dacar mantém trecho na Mauritânia

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007 21:02 BRST
 

NOUAKCHOTT (Reuters) - Um dirigente do Rali Lisboa-Dacar disse que o evento manterá a rota planejada através da Mauritânia, apesar de dois violentos ataques nesta semana, um deles reivindicado pela Al Qaeda.

Uma gravação de áudio divulgada pela TV Al Arabiya disse que a Al Qaeda no Magreb Islâmico, a ala norte-africana da Al Qaeda, matou quatro soldados mauritanos na noite de quarta-feira no remoto norte desse país. Não foi possível aferir a autenticidade da gravação.

Na segunda-feira, homens armados mataram quatro turistas franceses na Mauritânia. Autoridades suspeitam de militantes islâmicos.

Os ataques despertam temores de que militantes ligados à Al Qaeda, depois de cometerem ataques na Argélia e no Marrocos, podem estar levando suas operações mais ao sul, para a Mauritânia, o Mali e o Senegal, onde o rali termina, no dia 20 de janeiro.

Roger Kalmanovitz, chefe de segurança do rali, esteve reunido com policiais, militares e autoridades civis da Mauritânia e disse que o evento, entre os dias 5 e 20 de janeiro, será mantidos conforme o planejado.

"Estamos satisfeitos e o rali vai de fato começar em Lisboa em 5 de janeiro e chegará ao solo mauritano em 11 de janeiro", disse ele a jornalistas em Nouakchott, capital desse país árabe do noroeste africano. No ano passado, os organizadores da corrida de 9.000 quilômetros cancelaram duas etapas depois que os serviços franceses de segurança alertaram que os participantes poderiam ser vítimas de sequestros e emboscadas cometidas por rebeldes argelinos durante a passagem por Mali.

(Por Ibrahima Sylla)