Jogadores evitam condenar atuação e criticam torcida

quinta-feira, 19 de junho de 2008 02:03 BRT
 

Por Pedro Fonseca

BELO HORIZONTE (Reuters) - As vaias, o pedido pela demissão do técnico Dunga e os aplausos ao atacante adversário Lionel Messi que partiram da arquibancada do Mineirão no empate de 0 x 0 com a Argentina incomodaram os jogadores da seleção brasileira, que reclamaram do comportamento do torcedor e pouco falaram da atuação do time no jogo.

"Faltou apoio da torcida, nós esperávamos que o torcedor ficasse do nosso lado até o final", lamentou o atacante Luis Fabiano, que ao entrar em campo no lugar de Adriano, no 2o tempo, ouviu a torcida chamar Dunga de burro, no jogo de quarta-feira em Belo Horizonte.

Antes mesmo do intervalo, após insistir numa jogada individual que não deu resultado, Robinho foi alvo dos protestos, e o time inteiro desceu para o vestiário sob vaias após o primeiro tempo sem gols no Mineirão.

A partir da metade da etapa final, quando a Argentina era melhor em campo, o torcedor não perdoou a substituição de Adriano por Luis Fabiano. A saída do camisa 9 marcou o início dos gritos de "adeus Dunga" e "burro".

"Ficamos chateados com a torcida. Jogamos contra uma seleção forte, mas que nós não perdemos há muito tempo. Não podemos exigir que o torcedor grite durante 90 minutos, mas nos momentos difíceis que estamos passando, precisamos do apoio", disse a jornalistas o zagueiro Juan.

"Mas eles preferem aplaudir o jogador deles", acrescentou.

O lateral-esquerdo Gilberto reconheceu que Messi fez uma grande partida e está entre os maiores nomes do futebol internacional na atualidade, mas afirmou que nunca viu torcedores estrangeiros fazerem o mesmo com os craques brasileiros quando a seleção joga fora de casa.

O atacante do Barcelona teve o nome gritado pelos torcedores brasileiros ao deixar o gramado nos últimos minutos para a entrada de Palacios. Pouco antes, ele obrigou o goleiro Júlio César a fazer boa defesa, que garantiu o 0 x 0.   Continuação...

 
<p>Mineiro e Messi disputam a bola na partida no Mineir&atilde;o, em Belo Horizonte, 18 de junho de 2008     REUTERS. Photo by Paulo Whitaker</p>