6 de Junho de 2008 / às 12:56 / em 9 anos

ENTREVISTA-Liga inglesa prejudica seleção do país, diz Blatter

Por Mike Collett

ZURIQUE, Suíça (Reuters) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou nesta quinta-feira que o fato de a Inglaterra estar fora da Euro 2008 explica-se em parte pelo fato de os times do Campeonato Inglês ajudarem os jogadores estrangeiros a atingirem seu auge, contribuindo para o sucesso das outras seleções.

Blatter, em uma entrevista concedida à Reuters na Universidade de Zurique, afirmou: “O futebol é imprevisível e algumas vezes sem lógica nenhuma. Mas o fato é que nos times ingleses mais fortes os melhores jogadores nem sempre são ingleses”.

“Então, de onde vêm os melhores jogadores ingleses? Eles vêm dos times menos fortes, o que está enfraquecendo a seleção da Inglaterra. O que está ocorrendo na Inglaterra é que os melhores times estão preparando os jogadores das seleções adversárias da Inglaterra.”

“O Campeonato Inglês vem ajudando outros países a participarem dos campeonatos europeus, mas não a Inglaterra”, disse.

A seleção inglesa não conseguiu chegar à Euro 2008, que começa no sábado, ao ficar atrás da Croácia e da Rússia nas eliminatórias, após ter perdido por 3 x 2 para os croatas no último jogo.

REGRA DO ‘6+5’

Blatter concedeu a entrevista depois de ter feito um discurso dando início a um fórum sobre o futebol a ser realizado durante dois dias em Zurique. O presidente da Fifa viajou em seguida para Bruxelas.

Na capital belga, ele visitou a sede da União Européia (UE) e reuniu-se com Hans-Gert Poettering, presidente do Parlamento Europeu, como parte de seus esforços para convencer os parlamentares europeus a aprovarem a polêmica regra da cota para estrangeiros nos clubes, conhecido como “6+5.”

Blatter afirmou estar determinado a dar prosseguimento a seus esforços diplomáticos para que cada clube tenha em campo no máximo 6 estrangeiros, ao lado de 5 atletas que possam defender a seleção de seu clube.

“Estou feliz com o fato de isso ter sido aceito, de que o diálogo continua. E, enquanto continuarmos conversando, haverá sempre uma chance de encontrarmos uma solução”, disse à Reuters TV.

Blatter recebeu, na semana passada, do Congresso da Fifa, a incumbência de continuar negociando formas de fazer com que essa regra seja adotada na União Européia, onde existe uma lei em vigor que permite a livre circulação de trabalhadores dos países-membros do bloco.

O presidente da entidade máxima do futebol disse estar perto de achar uma solução para o plano inicialmente rejeitado pela entidade que comanda o futebol europeu, a Uefa, e pelo presidente dela, Michel Platini.

“Houve muita oposição a esse plano desde que ele surgiu pela primeira vez, dois anos atrás, no Congresso da Fifa em Munique. E a oposição continua a vir da Uefa, que não quer entrar em rota de colisão com a União Européia.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below