Mesmo longe dos títulos, EUA é maior estraga festa do Brasil

sábado, 26 de julho de 2008 14:35 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Não são os gigantes russos ou os rivais cubano. Nem a grande campeã histórica Itália. O adversário que mais tem dado trabalho à seleção masculina de vôlei do técnico Bernardinho são os Estados Unidos, inventores do esporte mas que conquistaram seu último grande título em 1988.

Os norte-americanos, considerados pelo treinador brasileiro os maiores conhecedores de sua equipe, voltaram a aprontar para cima do Brasil neste sábado, ao derrotar a equipe na semifinal da Liga Mundial, por 3 sets a 0, em pleno Maracanãzinho.

Para o veterano levantador Lloy Ball, o segredo dos Estados Unidos para complicar tanto a vida dos atuais campeões olímpicos e bicampeões mundiais está numa antiga receita do esporte: eficiência acima do espetáculo.

"Muitos times têm medo de enfrentar o Brasil e já entram em quadra derrotados. Eles vêem as cortadas de Dante, André Nascimento e pensam 'uau, é impossível pará-los"', disse o jogador a repórteres, após a vitória que classificou o país para uma final de Liga Mundial pela primeira vez desde a criação da competição, em 1990.

"Para nós, essas jogadas bonitas representam apenas um ponto, tem o mesmo valor que um erro de saque ou um bloqueio. Nós não jogamos um vôlei bonito, mas acreditamos em todas as bolas. Nós lutamos sempre até o fim", acrescentou Ball, de 36 anos.

"Os jogadores brasileiros já sabem disso, eles sabem que o nosso estilo de jogo casa bem com o deles, por isso acho que eles entram em quadra contra a gente menos confiantes do que contra outras equipes. Certamente eles são os melhores do mundo, mas nós temos conseguido bons resultados", acrescentou.

Antes da vitória no Maracanãzinho, que deixou o Brasil de fora da final da Liga Mundial pela primeira vez sob o comando de Bernardinho, desde 2001, os Estados Unidos já tinham vencido o Brasil em outros momentos marcantes, inclusive tirando outro título da equipe diante da torcida brasileira.

No caminho para o ouro olímpico de Atenas-2004, o Brasil foi derrotado por 3 sets a 1 pelos norte-americanos na primeira fase, mesma história que se repetiu na Copa do Mundo de 2007, quando, antes de ser campeão, o Brasil caiu diante dos EUA. Em 2005, na final da Copa América, em São Leopoldo (RS),o Brasil também perdeu para o rival, por 3 sets a 2, na decisão.

O capitão da seleção dos EUA, Thomas Hoff, confirmou o que dissera Bernardinho antes do jogo deste sábado. Os EUA realmente conhecem o Brasil. "Nós estávamos bem preparados, assistimos a muitos vídeos do Brasil", afirmou. "Quando nós éramos os campeões, muitas pessoas nos estudavam, e isso é o que nos fazemos agora."

Os Estados Unidos foram a maior potência mundial do vôlei masculino na década de 1980, conquistando o bicampeonato olímpico em Los Angeles-1984 e Seul-1988, porém subiram ao pódio olímpico pela última vez em Barcelona-1992, quando ficaram com o bronze. Nessa mesma Olimpíada, o Brasil conquistou seu primeiro ouro no vôlei, batendo a Holanda na final.