Governo britânico nega rombo em orçamento das Olimpíadas 2012

terça-feira, 15 de janeiro de 2008 15:13 BRST
 

Por Martyn Herman

LONDRES (Reuters) - Os Jogos Olímpicos de 2012, marcados para acontecer em Londres, geraram mais preocupação na terça-feira, quando um jornal afirmou que uma contração no preço de terras pode deixar um "buraco negro" de 1 bilhão de libras (2 bilhões de dólares) no orçamento do evento.

Uma matéria publicada pelo The Times disse que a previsão de Tessa Jowell, secretária britânica das Olimpíadas, sobre a arrecadação de ao menos 1,8 bilhão de libras com a venda de terras depois dos Jogos era exagerada pois se baseava em um aumento anual de 16 por cento no preço dos imóveis.

A venda de terras no Parque Olímpico, construído no leste de Londres, seria realizada para pagar o empréstimo concedido pela Loteria Nacional e pagar a Agência de Desenvolvimento de Londres (LDA), que adquiriu os locais onde ocorrerão as principais competições.

A LDA agora espera levantar apenas 800 milhões de libras com a venda dos imóveis depois de estimativas sobre o aumento dos preços terem sido revistas para baixo devido a um encolhimento desse mercado em Londres, disse o The Times.

O Departamento de Cultura, Mídia e Esportes (DCMS), responsável por gerenciar o custeamento de eventos pelo governo central, disse que a reportagem induzia a erro.

"Não há qualquer buraco negro no orçamento para 2012", afirmou um porta-voz do DCMS na terça-feira. "Os registros sugerem ser inteiramente realista acreditar que nossa meta de pagar a Loteria será atingida", acrescentou.

Em março do ano passado, Jowell confirmou que a previsão de gastos para construir as instalações e a infra-estrutura requeridas pelos Jogos tinha aumentado em mais de duas vezes, para 9,3 bilhões de libras, e pediu outros 700 milhões de libras para a Loteria Nacional.

O total de verbas a ser concedido pela Loteria Nacional soma 2,175 bilhões de libras. Parlamentares da oposição questionaram a manobra em um debate realizado na terça-feira na Câmara dos Comuns.

No entanto, Neale Coleman, diretor da Assembléia de Londres para o planejamento e regeneração de negócios, disse que o valor real a ser levantado com a venda dos imóveis pode ultrapassar os 1,8 bilhão de libras.

"Acho ser realista esperarmos conseguir mais de 1,8 bilhão", afirmou. "Se o valor das terras aumentar nos próximos 20 anos o que aumentou nos últimos 20 anos, então conseguiríamos 3 bilhões com a venda dos imóveis."