ENTREVISTA-Poluição pode adiar eventos longos em Pequim

segunda-feira, 17 de março de 2008 20:56 BRT
 

Por Linda Hutchinson-Jafar

PORT OF SPAIN (Reuters) - A qualidade do ar de Pequim é "melhor que a que temíamos", mas o Comitê Olímpico Internacional (COI) está disposto a adiar alguns eventos de longa duração caso a poluição aumente, disse na segunda-feira o presidente da entidade, Jacques Rogge.

"Ficamos tranquilizados com as recentes descobertas, analisamos diferentes poluentes em Pequim, examinamos essas análises do ano passado e as análises recentes, e a situação é melhor do que temíamos", disse Rogge à Reuters durante visita a Trinidad.

"Isso não quer dizer que não possa haver problemas aqui e ali", afirmou ele, acrescentando que alguns eventos externos com duração superior a uma hora podem ser adiados caso a poluição ultrapasse determinados níveis durante os Jogos Olímpicos de Verão -- algo que ele considera improvável.

"Tudo que está abaixo de uma hora de esforço contínuo de alta intensidade não é um problema. Todo esporte 'indoor' é sem problema. Todo esporte com até uma hora é ok", declarou Rogge.

"Acima de uma hora, como a maratona, o triatlo, o ciclismo de estrada e o mountain bike e a natação de longa distância, se os níveis de poluição forem altos demais naquele dia vamos simplesmente adiar a competição por algumas horas até que a poluição esteja num nível aceitável."

Segundo ele, já houve adiamentos semelhantes em outros Jogos Olímpicos, por excesso de vento ou de neve, por exemplo.

O recordista mundial da maratona, o etíope Hailé Gebrselassié, desistiu de participar da prova nos Jogos de Pequim porque, asmático, temia os efeitos da poluição sobre sua saúde.

"Só posso dizer aos atletas que sua saúde não está em perigo. Estou dizendo que vocês podem competir em Pequim sem problemas", disse Rogge.

"Para os atletas com condições particulares permanentes, como a asma, caberia às equipes decidir se querem permitir que compitam ou não."

 
<p>Jacques Rogge, presidente do Comit&ecirc; Ol&iacute;mpico Internacional em coletiva de imprensa em Vancouver. Photo by Lyle Stafford</p>