Hamilton não precisa da ajuda de Kovalainen, diz Ron Dennis

domingo, 27 de julho de 2008 13:15 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O chefe da McLaren, Ron Dennis, rebateu as declarações do tricampeão Jackie Stewart, que sugeriu que Heikke Kovalainen deve fazer mais para ajudar seu companheiro de equipe Lewis Hamilton a conquistar o título desta temporada da Fórmula 1. "O fato é que Sir Jackie não corre desde 1973, há 35 anos, e o esporte evoluiu nesse período", disse Dennis neste domingo em uma resposta aos comentários feitos por Stewart após o Grande Prêmio da Alemanha, realizado no último fim de semana.

"Jackie, ao sugerir que o título mundial de Lewis depende da ajuda de Heikki, pressupõe que a tarefa de Heikki é de pilotar para ajudar Lewis -- e simplesmente, esse não é o caso," disse Dennis.

Hamilton, 23, venceu na Alemanha e é novamente o líder do campeonato. O britânico já venceu quatro corridas neste ano, enquanto Kovalainen, da Finlândia, conquistou apenas um pódio.

Kovalainen foi o quinto na Alemanha, depois de permitir que seu companheiro de equipe o ultrapassasse, quando a estratégia da McLaren fez com que o britânico tivesse que superar três carros nas 16 voltas que faltavam, após o ultimo pitstop de Hamilton.

As chamadas "ordens de equipe", em que um dos pilotos é avisado sobre a necessidade de ajudar seu companheiro, estão banidas da Fórmula 1 e Kovalainen deixou claro que agiu por vontade própria ao dar passagem a Hamilton, que estava visivelmente mais rápido naquele dia.

Stewart disse ao Daily Mirror que Hamilton "tem que receber mais ajuda de seu companheiro de equipe" para conquistar o título. "Você não pode ter uma equipe de um único piloto neste esporte", acrescentou ele.

Dennis, que enfatizou seu respeito por Stewart, disse que a McLaren tem uma longa história de dar aos seus pilotos tratamento igualitário e que a equipe não tem intenção de modificar isto.

"A verdade é que Lewis não quer qualquer tipo de ajuda", disse ele. "Ele e Heikki são bons companheiros, mas ambos são muito competitivos e tomam suas próprias decisões."

(Por Alan Baldwin)