Jackie Stewart pede renúncia de chefão da FIA após escândalo

domingo, 6 de abril de 2008 14:28 BRT
 

Por Alan Baldwin

MANAMA (Reuters) - O lendário Jackie Stewart alertou neste sábado que o envolvimento de Max Mosley em um escândalo sexual pode causar um impacto comercial na Fórmula 1 e pediu a renúncia do presidente da FIA.

"Se ele fosse o presidente da Confederação das Indústrias Britânicas, da Associação de Futebol ou do Comitê Olímpico, ele já teria sido substituído", disse o tricampeão de Fórmula 1 à Reuters no Grande Prêmio do Barein.

O chefão da Federação Internacional de Automobilismo está processando o tablóide britânico "News of the World" por danos ilimitados, depois de o jornal ter publicado reportagem em que implicava Mosley em uma orgia sadomasoquista com prostitutas.

O jornal publicou ainda mais detalhes em sua mais recente edição, que circulou neste domingo.

O pai de Mosley, Oswald, fundou antes da Segunda Guerra Mundial a União Britânica de Fascistas. O filho nega que houvesse qualquer conotação nazista no incidente.

Stewart disse que o caso, que tirou atenção do que aconteceu nas pistas neste fim de semana, pode fazer possíveis patrocinadores pensarem duas vezes antes de entrarem na categoria e sugeriu que o manda-chuva comercial da Fórmula 1 Bernie Ecclestone pode forçar a saída de Mosley.

"Ele tem de fazer isso (demitir-se) por ele mesmo, mas Bernie Ecclestone tem um papel muito importante no desenrolar deste caso", disse o escocês.

Ecclestone é membro do conselho de esportes motorizados da FIA e, ainda que ele na esfera privada possa estar a favor da renúncia de Mosley, recusou-se a participar do coro que clamorosamente pede a cabeça de seu compatriota.

A Associação de Automóveis da América, a maior organização automobilística do mundo, com 51 milhões de associados nos Estados Unidos, também pediu no sábado a renúncia de Mosley.