Clubes europeus aprovam medidas contra a violência nos estádios

quarta-feira, 14 de novembro de 2007 17:52 BRST
 

MADRI (Reuters) - Os principais clubes europeus concordaram na quarta-feira em adotar regras mais rígidas para a venda de ingressos, melhorar a vigilância por vídeo nos estádios e criar um guia de conduta para o público, a fim de reduzir a violência entre torcidas.

A União Européia das Ligas Profissionais de Futebol (EPFL, que representa as primeiras divisões de 20 países, inclusive Inglaterra, Espanha e Itália) definiu um plano de ação em dez itens.

A proposta será submetida no dia 28 a uma cúpula de ministros da União Européia, Comissão Européia, chefes de polícia, torcidas organizadas e dirigentes futebolísticos.

No domingo, um torcedor foi morto num posto de gasolina da Itália durante confrontos entre torcedores da Lazio e da Juventus. Em fevereiro, um policial havia sido assassinado durante um tumulto em frente a um estádio da Sicília. Outros países europeus também convivem com incidentes desse tipo nos últimos anos, além de episódios de racismo.

Na terça-feira, a Uefa (entidade que comanda o futebol europeu) disse que extremistas sem interesse por futebol estão se infiltrando nas torcidas italianas e são os responsáveis pela violência.

A EPFL defende a criação de uma "Carta do Torcedor", com regras rígidas para o comportamento antes, durante e depois do jogo. "Isso será divulgado por meio de cartazes em torno do estádio, do sistema de alto-falantes e dos ingressos", disse o documento, que defende também a regularização jurídica das torcidas organizadas, que ficariam responsáveis por manter uma lista de arruaceiros.

"A maior parte do que decidimos já está em vigor em países como a Inglaterra, mas sabemos que precisamos que toda a Europa cante o mesmo hino quando se trata da segurança nas partidas de futebol", disse um funcionário da EPFL.

Outra medida prevista é a identificação dos compradores dos ingressos, para combater a ação de cambistas e falsificadores.

Em maio, houve confusão na final da Liga dos Campeões, entre Milan e Liverpool, porque torcedores com ingressos falsos entraram, enquanto outros, donos de ingressos verdadeiros, ficaram de fora.