June 19, 2008 / 3:12 AM / 9 years ago

Brasil empata sem gols com Argentina aos gritos de "adeus Dunga"

6 Min, DE LEITURA

<p>Robinho (E) e Gabriel Heinze disputam lance em jogo entre Brasil e Argentina, em Belo Horizonte, na quarta-feira. Photo by Paulo Whitaker</p>

Por Pedro Fonseca

BELO HORIZONTE (Reuters) - Para a torcida mineira, chegou ao fim a "era Dunga" à frente da seleção brasileira. A equipe empatou em 0 x 0 com a rival Argentina, nesta quarta-feira, no Mineirão, e a pressão sobre o treinador chegou ao maior nível desde que o ex-jogador virou técnico.

Mesmo com um time mais ofensivo em relação ao que perdeu para o Paraguai no domingo -- com Anderson, Júlio Baptista e Adriano nos lugares de Josué, Diego e Luis Fabiano -- o time passou mais uma vez em branco e está em quarto lugar nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, com 9 pontos em 6 jogos. O líder é o Paraguai, com 13 pontos.

Ao fim da partida, os mais de 52 mil torcedores no estádio sentenciaram o que pensam sobre o futuro do treinador: "Adeus Dunga, adeus Dunga".

"Acho que a cobrança tem que ser em cima de todo mundo (e não apenas sobre Dunga). Empatamos um jogo que podíamos ter ganho. Normal as críticas", disse o atacante Robinho logo após o confronto.

A formação brasileira com dois jogadores mais adiantados no meio-campo e a postura agressiva na marcação colocaram a Argentina sob pressão nos primeiros minutos.

Empurrada pelos gritos de "Brasil" da arquibancada, a seleção já tinha cobrado dois escanteios antes dos seis minutos, o segundo escorado de cabeça com perigo pelo zagueiro Juan.

Duas oportunidades incríveis de abrir o marcador foram perdidas aos 23 e 24 minutos, primeiro com Júlio Baptista e depois com Robinho, irritando parte da torcida, que xingou o atacante.

Numa jogada iniciada por Adriano, Robinho deu um lindo drible em cima do marcador, invadiu a área, e bateu cruzado, mas o chute foi desviado. No rebote, a bola sobrou limpa para Júlio Baptista, mas o meia, de frente para o gol, bateu em cima do goleiro Abbondanzieri. Em novo rebote, Robinho mandou pra fora.

Logo na jogada seguinte, outra chance perdida por Robinho. O atacante do Real Madrid foi lançado na ponta esquerda e driblou o goleiro argentino na lateral da área. Mas em vez de chutar ou cruzar para Adriano, o atacante insistiu na jogada individual e acabou desarmado pela defesa.

Jogador de melhor movimentação no meio brasileiro, Anderson sentiu uma contusão no joelho esquerdo e deixou o gramado, aos 33 minutos, para a entrada de Diego, que teve o nome gritado pela torcida no Mineirão.

Do lado argentino, o jogo era mais cadenciado, com muitas trocas de bola no meio entre o trio Gago, Riquelme e Messi. O time avançava principalmente pela esquerda, com o ala Gutiérrez, mas a única chance real de gol saiu apenas no último minuto.

<p>Torcedor argentino segura placa com inscri&ccedil;&atilde;o 'Fica Dunga', em refer&ecirc;ncia ao 'Fora, Dunga' da torcida brasileira no Mineir&atilde;o, durante a partida das eliminat&oacute;rias para a Copa do Mundo de 2010, em 18 de junho de 2008. Photo by Paulo Whitaker</p>

O zagueiro Coloccini acertou ótimo lançamento e deixou Messi de frente para o goleiro Júlio César, mas o astro do Barcelona finalizou mal, mandando a bola para lateral.

Torcida Irritada

O 0 x 0 frustrou a torcida mineira, que manteve-se tímida pela maior parte do tempo e vaiou enquanto os times iam para o vestiário. Adriano, demonstrando muita disposição em todas as jogadas, foi eximido e teve seu nome gritado um pouco antes do intervalo.

"Tem que tocar um pouco mais rápido porque eles estão marcando de perto", disse o atacante da Inter de Milão, carrasco dos argentinos na Copa América de 2004 e na Copa das Confederações de 2005.

O segundo tempo começou com a primeira "ola" da torcida, que passou a participar um pouco mais da partida incentivando a equipe. Mas o apoio não durou muito tempo.

Quem voltou melhor foi a Argentina, principalmente nas jogadas pela esquerda. Após ótimo passe de Riquelme por aquele lado, Júlio Cruz ficou livre de frente para o gol brasileiro, mas o chute saiu por cima.

A resposta brasileira foi numa cobrança de falta de Júlio Baptista, pela meia esquerda, que foi mandada a escanteio pelo goleiro argentino.

Com o Brasil sem saber como entrar na defesa Argentina e a equipe adversária melhor em campo, a paciência da torcida acabou após 67 minutos de partida.

Aos 22 minutos da etapa final, os primeiros xingamentos de burro, que ganharam o coro uníssono do estádio inteiro com a substituição de Adriano por Luis Fabiano, três minutos depois. Em contraste com as vaias ao treinador, Adriano deixou o campo aplaudido.

A terceira alteração promovida por Dunga -- Daniel Alves no lugar de Diego -- foi novamente marcada por gritos de burro, seguidos por "adeus Dunga".

No gramado, o Brasil sentiu a pressão e se encolheu, dando espaço para a Argentina impor seu ritmo de jogo e ameaçar o gol brasileiro em cobranças de falta pelo alto.

Nos últimos minutos, Júlio César ainda salvou o Brasil de uma derrota ao defender um chute forte de Messi, que deixou o campo aplaudido pela torcida brasileira ao ser substituído por Palacios.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below