Nelsinho Piquet fica em último, mas Renault mantém apoio

sexta-feira, 6 de junho de 2008 20:56 BRT
 

Por Simon Evans

MONTREAL (Reuters) - A Renault prometeu na sexta-feira manter seu apoio a Nelsinho Piquet, que enfrentou mais um dia complicado nos preparativos para a corrida de domingo no Canadá.

O piloto de 22 anos, filho do tricampeão brasileiro Nelson Piquet, concluiu apenas duas das seis provas desta temporada, e continua sem marcar ponto no seu ano de estréia. Foi 11o na Malásia e 15o na Turquia.

No segundo treino livre de sexta-feira, ele sofreu uma pane na caixa de câmbio, encerrando a tarde em último lugar, mais de dois segundos atrás do resto do pelotão.

Mas Pat Symonds, engenheiro da Renault, e Fernando Alonso, companheiro de equipe, disseram confiar na capacidade de Nelsinho.

"É muito fácil criticar pilotos numa situação dessas, e acho que as pessoas têm a memória muito curta no automobilismo", disse ele, evocando a situação vivida no GP do Canadá de 2007 por Heikki Kovalainen -- o então piloto da Renault se envolveu em dois acidentes no fim de semana e terminou a prova em quarto. "Depois disso, ele nunca mais recuou", afirmou Symonds.

"Existe tanta coisa na psique de um piloto, que uma vez que eles as superam ninguém os segura", disse Symonds. "O que temos de fazer com Nelson é ajudá-lo a romper essa barreira. Basta um bom resultado."

Alonso, dono de dois títulos mundiais, disse que, apesar de trabalhar com Piquet há poucos meses, o vê "com enorme respeito".

"Sei que ele tem um grande talento. Algumas corridas foram difíceis porque foram provas novas para ele", afirmou o espanhol, acrescentando que o décimo lugar no treino classificatório de Barcelona, pista com a qual o brasileiro estava mais familiarizado, mostra o seu potencial.

O Canadá foi o país onde Nelson Piquet (pai) conquistou sua última vitória, pela equipe Benetton, que seria depois adquirida pela Renault. Piquet se aposentou em 1991.