Esgrimista italiano tem antidoping positivo

segunda-feira, 4 de agosto de 2008 21:18 BRT
 

ROMA (Reuters) - Deu positivo a contraprova do exame de doping do esgrimista italiano Andrea Baldini, que já havia apresentado traços de um diurético proibido na amostra examinada em julho, disse a Federação Italiana de Esgrima (FIS) na segunda-feira.

Baldini, melhor esgrimista do mundo e grande esperança de medalha de ouro para a Itália nos Jogos de Pequim, pediu um exame de DNA na amostra, segundo a FIS.

Ele havia apresentado um resultado positivo para a substância furosemida durante o Campeonato Europeu, em Kiev. Na sexta-feira, foi excluído da equipe olímpica e substituído pelo campeão europeu Andrea Cassara.

Em nota no seu site (www.federscherma.it), a FIS se diz "chocada com uma controvérsia que envolve um atleta que sempre se distinguiu por sua esportividade e correção."

"A surpresa é ainda maior já que Baldini, como todos os outros esgrimistas de primeiro nível na seleção nacional italiana, se submeteu repetidamente ao longo da temporada a testes que sempre deram negativos."

O Comitê Olímpico Italiano disse que o atleta, de 22 anos, comparecerá na quinta-feira a uma audiência da procuradoria antidoping da Itália.

Na sexta-feira, Baldini disse nunca ter tido consciência de consumir qualquer substância proibida e declarou: "Não existe doping na esgrima, não faz sentido."

A Agência Mundial Antidoping proíbe a furosemida porque ela pode mascarar outras drogas. A substância é usada em hospitais em caso de parada cardíaca.

A Itália teve dois outros casos recentes de doping. O ciclista Riccardo Ricco, reserva da equipe de ciclismo que vai a Pequim, foi suspenso depois de admitir o consumo do doping EPO durante a Volta da França, em julho.

Marta Bastianelli, campeã mundial do ciclismo de estrada, também não irá a Pequim porque deu positivo para um estimulante que ela disse ter consumido sem saber num produto dietético.

(Por Mark Meadows)