ENTREVISTA-Stewart põe mais lenha em guerra verbal com a FIA

segunda-feira, 15 de outubro de 2007 15:49 BRST
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - O tricampeão de Fórmula 1 Jackie Stewart criticou a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) na segunda-feira, acusando-a de interferir nos preparativos da McLaren para o decisivo GP do Brasil, que acontece no domingo em Interlagos.

O escocês disse não entender a lógica da nomeação de um fiscal especial que garanta que o líder do campeonato, Lewis Hamilton, não seja favorecido em detrimento de seu companheiro de equipe, Fernando Alonso, que também tem chance de ganhar o título.

Ele também sugeriu mudanças na entidade.

"Não acho que seja papel da entidade interferir com um empreendimento privado e na forma como alguém administra sua empresa. Não está certo", disse ele à Reuters numa entrevista, no lançamento de sua autobiografia "Winning is Not Enough" (Não Basta Vencer).

Hamilton, 22, que pode se tornar o primeiro estreante a vencer o Mundial de Pilotos, além do campeão mais novo da história, está quatro pontos à frente de Alonso e sete à frente de Kimi Raikkonen, da Ferrari.

O espanhol já acusou a McLaren de favorecer Hamilton, mas a equipe insiste que os dois recebem o mesmo tratamento. A FIA disse na semana passada que ia nomear um fiscal para evitar o favorecimento.

Stewart e o presidente da FIA, Max Mosley, estão no meio de uma guerra verbal. O escocês disse que a entidade estava fazendo uma "caça às bruxas" no caso da espionagem que envolveu McLaren e Ferrari.

A McLaren foi multada em 100 milhões de dólares e perdeu todos os pontos no Mundial de Construtores por causa do episódio, o que deu o título à Ferrari.

"Não dá para demolir todo mundo, de um jeito inadequado. Acho que a entidade tem de olhar para si própria. Max Mosley provavelmente fez um ótimo trabalho por 16 anos, mas talvez seja hora de mudar", disse o ex-piloto.