Roupa especial será investigada após recordes na natação

segunda-feira, 24 de março de 2008 16:37 BRT
 

Por Derek Parr

EINDHOVEN, Holanda (Reuters) - Dirigentes internacionais da natação devem conversar com fabricantes de equipamentos esportivos na próxima semana, após uma série de recordes mundiais ter sido batida por atletas que usavam maiôs especiais.

Dos EUA à Austrália, passando por Eindhoven, 11 recordes mundiais foram superados desde o dia 16 de fevereiro por nadadores que usavam o novo maiô LZR Racer, da Speedo.

O francês Alain Bernard revolucionou o cenário das provas rápidas no Campeonato Europeu de Eindhoven, quebrando três recordes mundiais em um espaço de três dias. Em todas as ocasiões, usou a roupa da Speedo.

Com a aproximação dos Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto, técnicos e dirigentes da área preocupam-se com a possibilidade de o mundo da natação ficar dividido entre os que possuem acesso à roupa de 550 dólares e os que não possuem.

Os últimos poderiam ficar para trás porque não obteriam os maiôs especiais a tempo ou porque suas equipes nacionais mantêm contratos com outros fabricantes.

A Federação Internacional de Natação (Fina) aprovou o maiô no ano passado, mas pediu para realizar um encontro com os fabricantes durante o próximo mês, quando será realizado o Mundial em piscina curta, em Manchester, na Grã-Bretanha.

Cornel Marculescu, diretor-executivo da Fina, cuja sede fica em Lausanne, na Suíça, disse que há duas questões principais a serem tratadas: a espessura do traje e a possibilidade de adquiri-lo.

Marculescu disse ao site SwimNews Web (www.swimnews.com) que há uma preocupação com a flutuabilidade. "Precisamos rever isso. No entanto, não há um teste científico para dizer se um maiô melhora a performance de um atleta", afirmou na segunda-feira.   Continuação...