Antes elogiada, defesa vira preocupação contra Argentina

terça-feira, 17 de junho de 2008 14:51 BRT
 

Por Pedro Fonseca

BELO HORIZONTE (Reuters) - Considerada o ponto forte da equipe e única eximida de culpa pela eliminação na Copa do Mundo de 2006, a defesa da seleção brasileira entrará em campo para o clássico de quarta-feira contra a rival Argentina com o peso de ter a pior média de gols sofridos dos últimos nove anos.

A dupla Juan e Lúcio, prestigiada desde o Mundial da Alemanha apesar da derrota para a França, estava em campo quando o Brasil levou quatro dos seis gols sofridos nos últimos três jogos. Os titulares só foram poupados na derrota por 2 x 0 para a Venezuela, em amistoso nos Estados Unidos.

"A última partida infelizmente a gente sofreu bastante na defesa", reconheceu o capitão Lúcio, que falhou na marcação de Roque Santa Cruz no primeiro gol do Paraguai na derrota de domingo por 2 x 0, em que a bola cruzou toda a área brasileira.

A última vez que a seleção brasileira sofreu dois gols em três partidas consecutivas foi em 1999, quando Antônio Carlos e Scheidt formavam a zaga titular do técnico Vanderlei Luxemburgo -- empate de 2 x 2 com a Holanda, vitória de 4 x 2 contra Argentina e derrota de 2 x 0 para os argentinos, todos jogos amistosos.

Apesar da recente forma, que culminou com a queda para quarto na classificação das eliminatórias para o Mundial de 2010, colocando a equipe sob pressão para o jogo no Mineirão com os argentinos, o zagueiro minimizou os números e disse que não há motivo específico para o mau momento.

"Foram dois jogos amistosos em que mexeu-se muito na equipe, mas isso também a gente não fica pensando muito. Nossa maior preocupação foi no último jogo, onde nós não jogamos bem em nenhum setor da equipe", afirmou o jogador do Bayern de Munique a jornalistas na Cidade do Galo, centro de treinamento do Atlético Mineiro.

Retornando de férias após o fim da temporada européia, os jogadores brasileiros levaram dois gols do Canadá e precisaram se esforçar no 2o tempo para vencer por 3 x 2, em amistoso nos EUA no fim de maio. No início de junho, a equipe, que teve a zaga formada por Henrique e Luisão, perdeu pela primeira vez na história para a Venezeuela: 2 x 0.

Os gols acontecem apesar da postura defensiva dos laterais escalados pelo técnico Dunga, Maicon na direita e Gilberto na esquerda, e da tática com três volantes no meio-campo, contrariando a tradicional formação brasileira com dois meias ofensivos no setor e laterais que apóiam o ataque. "Acho que independente da tática, a atitude dos jogadores é que tem que ser mudada. É a nossa atitude, a nossa determinação dentro de campo que vai dizer o que pode ser melhor ou não dentro do esquema tático", acrescentou Lúcio.   Continuação...

 
<p>Antes elogiada, defesa vira preocupa&ccedil;&atilde;o contra Argentina. O atacante Caba&ntilde;as faz o segundo gol do Paraguai contra o Brasil. Considerada o ponto forte da equipe, a defesa da sele&ccedil;&atilde;o brasileira entrar&aacute; em campo contra a rival Argentina com o peso de ter a pior m&eacute;dia de gols sofridos dos &uacute;ltimos nove anos. 15 de junho. Photo by Paulo Whitaker</p>