China promete permitir cobertura "justa e objetiva" da Olimpíada

terça-feira, 4 de dezembro de 2007 09:49 BRST
 

Por Nick Mulvenney

PEQUIM (Reuters) - A China reagiu nesta terça-feira às críticas à liberdade de imprensa no país, reiterando que jornalistas estrangeiros poderão cobrir a Olimpíada de 2008 em Pequim "de forma justa e objetiva".

A entidade Repórteres Sem Fronteiras enviou na semana passada uma carta aberta ao presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, detalhando supostos abusos contra jornalistas e acusando-o de conivência.

Qin Gang, porta-voz da chancelaria chinesa, disse em entrevista coletiva que a entidade, com sede em Paris, "ataca a China de forma constante".

"Enfatizamos que, a respeito da próxima Olimpíada, o governo e o povo chineses sinceramente saúdam que repórteres do mundo todo venham à China e cubram os jogos de forma justa e objetiva", acrescentou Qin.

Neste ano, a China relaxou as normas que até então restringiam os deslocamentos de jornalistas estrangeiros dentro do país sem aprovação oficial.

Policiais e autoridades locais, porém, muitas vezes relutam em permitir que as pessoas manifestem à imprensa estrangeira sua insatisfação com temas como expropriação de terras e corrupção.

Na segunda-feira, por exemplo, um repórter da Reuters foi afastado por seguranças quando tentava conversar com moradores de um condomínio que deve ser demolido para dar lugar a uma faixa de segurança perto do principal estádio dos Jogos.

O COI disse estar confiante de que a China vai cumprir seu compromisso, sempre respeitado por outras cidades-sede no passado, de dar liberdade na cobertura jornalística dos Jogos.