August 13, 2008 / 2:10 PM / 9 years ago

Favoritismo deixa vôlei feminino do Brasil com 'pé atrás'

3 Min, DE LEITURA

<p>Jogadoras da sele&ccedil;&atilde;o feminina de v&ocirc;lei do Brasil comemoram vit&oacute;ria contra S&eacute;rvia, em partida de 13 de agosto. A sele&ccedil;&atilde;o brasileira feminina de v&ocirc;lei, depois de um in&iacute;cio arrasador na Olimp&iacute;ada de Pequim, quer evitar que o fato de ser apontada como maior favorita ao ouro atrapalhe o rendimento dentro da quadra. Photo by Marcelo Del Pozo</p>

Por Marcelo Teixeira

PEQUIM (Reuters) - A seleção brasileira feminina de vôlei, depois de um início arrasador na Olimpíada de Pequim, quer evitar que o fato de ser apontada como maior favorita ao ouro atrapalhe o rendimento dentro da quadra.

As jogadoras até admitem que a forma com que têm jogado justifica estar entre os favoritos, mas dizem que isso não faz com que o país deva ser apontado como o maior deles. Para elas, a tática das outras seleções é jogar a pressão para cima do Brasil.

"Acho que nosso time, até pelo vôlei que tem apresentado, é candidato a medalha, e a gente não está fugindo disso", disse a líbero Fabi.

"Mas tem outras equipes também, só que está todo mundo olhando para a gente. Não tem problema, a gente vai procurar fazer o melhor. A gente vai em busca da medalha", acrescentou.

O time do técnico José Roberto Guimarães, campeão do último Grand Prix, venceu as três primeiras partidas nos Jogos pelo mesmo placar, 3 a 0, incluindo o jogo contra a vice-campeã olímpica Rússia e o desta quarta-feira contra a perigosa Sérvia.

"A gente, na verdade, não leva muito em consideração (o que falam); procura não ver muita notícia. Eu mesmo não estou sabendo de nada. Estou focada aqui dentro", disse a oposto Mari.

Fabi, e também o técnico José Roberto Guimarães, chamam a atenção para os times de Cuba e da China, além da Rússia e da Itália, com quem o Brasil jogará no dia 17, possivelmente para definir o primeiro colocado da chave.

"Isso já aconteceu antes. Falam bastante do nosso time para deixar a gente achando que é demais, mas isso não vai acontecer", diz a oposto Sheila.

O técnico lembra episódios recentes em que o time deixou escapar campeonatos que pareciam que estavam à mão para dizer que as jogadoras devem manter o foco.

"O pessoal é bem adulto para avaliar tudo o que aconteceu com a gente. Não se pode deixar levar por uns tapinhas nas costas", disse Zé Roberto.

"Tem que ganhar, porque senão tudo o que aconteceu até agora não vai valer de nada", completou ele.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below