FIFA encerra experiências com tecnologia na linha do gol

sábado, 8 de março de 2008 12:06 BRT
 

Por Mike Collett

GLENEAGLES, Escócia (Reuters) - O uso de tecnologia no futebol para verificar se uma bola entrou ou não no gol está fora dos planos da entidade que controla mundialmente o futebol, conforme anunciado neste sábado.

A FIFA, manda-chuva do futebol no mundo, não aprovará experimento algum que traga tecnologia para determinar se a bola cruzou ou não a linha do gol, e de acordo com Brian Barwick, chefe-executivo da Federação Inglesa de Futebol, que apoiava os testes, "a idéia agora está morta de vez."

Ao invés disso, a International Board, entidade que controla as regras do futebol, deu sua aprovação para uma experiência que começaria este ano de árbitros assistentes adicionais, a serem colocados atrás de cada um dos gols, para ajudar o juiz em situações duvidosas.

Barwick disse em uma entrevista coletiva após o encontro anual da International Board: "Nós estamos muito desapontados. Nós somos à favor do uso da tecnologia na linha do gol. Mas agora ela está morta de vez. Não haverá mais experiências e elas não voltarão à pauta no próximo ano -ou em um futuro próximo."

Jerome Valcke, secretário geral da FIFA, disse que as experiências com os árbitros assistentes adicionais serão feitas em torneios da UEFA ou da FIFA ainda este ano.

A International Board vinha considerando dois sistemas tecnológicos: uma bola "inteligente" com um microchip, desenvolvida pela Adidas e pela companhia alemã Cairos, e uma solução baseada em câmeras, projetada pela Hawkeye, companhia que já faz esse tipo de trabalho em jogos de tênis e de críquete.

O presidente da FIFA Sepp Blatter há muito tempo vem se posicionando contra o uso da tecnologia, mesma posição da Associação de Futebol do País de Gales.

O secretário geral da Associação de Futebol do País de Gales, David Collins, disse: "Nós acreditamos que o futebol é um esporte jogado por seres humanos, é um jogo com uma face humana e havia um sentimento que isto (a tecnologia) iria atrapalhar o andamento do jogo."

A International Board, fundada em 1886, determina as regras do jogo e é composta de quatro delegados das associações britânicas de futebol e de quatro que vêm da FIFA. As propostas precisam de maioria de três quartos dos votantes para serem aprovadas.

Em outra decisão, a International Board concordou em padronizar as dimensões do gramado utilizado para jogos entre seleções na medida de 105 x 68 metros.