August 2, 2008 / 9:00 PM / 9 years ago

ENTREVISTA-Ex-ginasta Nadia Comaneci diz que não foi uma vítima

4 Min, DE LEITURA

Por Simon Evans

MIAMI (Reuters) - Ela foi medalhista de ouro com apenas 14 anos, realizando a primeira performance a ganhar a nota 10 na ginástica numa Olimpíada, mas Nadia Comaneci diz que a impressão comum de que ela sacrificou sua infância pelo esporte não é verdadeira.

Durante seu auge, o jornal New York Times descreveu a atuação da romena como sendo "sem expressão de alegria" e como muitos dos atletas do bloco comunista ela raramente demonstrava suas emoções.

Numa entrevista concedida à Reuters, Comaneci disse que, apesar de ter começado na ginástica aos 6 anos de idade e conquistado o ouro oito anos depois, em 1976, ela não sentia que havia perdido uma infância comum ou que sofreu muito por suas medalhas.

"As pessoas me diziam que eu parecia triste quando competia, mas eu nunca reclamei", declarou ela.

"As pessoas presumem muitas coisas sobre as ginastas -- que as garotas trabalham muito, que elas são muito jovens para trabalhar tanto. Eu, pessoalmente, nunca reclamei, todo mundo reclamava por mim."

"De qualquer forma, não era tão difícil -- fazia o que era preciso para ser uma campeã olímpica. Também, ninguém fala alguma coisa sobre os garotos de 12, 13 anos trabalharem tão duro. É somente as garotas -- oh, pobres garotas. Por que somos tratadas de forma diferente?"

Comaneci desertou e se mudou para os Estados Unidos em 1989, pouco antes de a revolução romena depor o ditador Nicolae Ceaucescu. Ela está agora com 46 anos, é mãe e casada com o medalhista de ouro norte-americano da ginástica, Bart Conner.

Treinador Exigente

Com Conner, ela administra uma academia de ginástica e uma de equipamentos em Oklahoma.

"Basicamente, eu tenho minha vida hoje como resultado do que fiz enquanto criança. O que eu perdi? Sim, perdi os passeios no shoppping, acho, mas isso não é grande coisa porque você não ganha uma medalha por isso", declarou.

"Quando olho para trás fico feliz por minha mãe ter me levado para o clube de ginástica. Não comecei a fazer ginástica para me tornar uma atleta famosa ou uma celebridade, apenas aconteceu -- fiz mais do que eu esperava, com certeza", destacou.

Comaneci, que conquistou três medalhas de ouro em Montreal e mais duas em Moscou, quatro anos depois, teve um treinador exigente, Bela Karolyi.

"As pessoas me perguntavam qual era o segredo da ginástica romena -- nós apenas trabalhávamos duas vezes mais do que qualquer um. Agora, todo mundo faz isso -- que é o motivo pelo qual eles estão muito melhor", disse ela rindo.

Comaneci diz que seu país natal continua sendo um dos poucos lugares no mundo onde a ginástica desperta um grande interesse, apesar de os resultados terem caído nos últimos anos.

"Ainda há interesse -- é considerado o segundo esporte atrás do futebol. Com nossos resultados nos anos de 1970 e tudo o que fizemos, as pessoas ainda sentem orgulho, a Romênia é reconhecida por sua ginástica", declarou Comaneci, que vai à Romênia uma vez por mês para ajudar nos preparativos para abrir uma clínica para crianças com seu nome.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below