Ecclestone não prevê mudanças na F1 com permanência de Mosley

terça-feira, 3 de junho de 2008 15:34 BRT
 

Por Alan Baldwin

PARIS (Reuters) - O homem-forte da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, afirmou nesta terça-feira que a categoria não deve sofrer nenhum prejuízo pelo fato de a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) ter resolvido manter Max Mosley no cargo de presidente, apesar de um recente escândalo sexual envolvendo o dirigente.

"A vida prossegue como sempre, pelo que tenho notícia", afirmou Ecclestone à Reuters, em entrevista concedida por telefone.

"Espero que isso não tenha gerado dúvidas entre os patrocinadores e os fabricantes."

Mosley foi mantido no cargo por 103 votos a favor e 55 contra, em uma votação secreta realizada pela Assembléia Geral da FIA, nesta terça-feira.

O dirigente, de 68 anos, vinha ignorando os pedidos para que se demitisse. Em março, o tablóide News of the World publicou detalhes e fotografias do envolvimento dele com uma orgia sadomasoquista de estilo nazista. Da orgia participaram também prostitutas.

Ecclestone, que trabalha em conjunto com Mosley há quase quatro décadas, disse no fim de semana que o britânico deveria abrir mão de seu cargo.

Alguns fabricantes da Fórmula 1 e ex-campeões mundiais questionaram a posição de Mosley ou pediram a renúncia dele.

Segundo Ecclestone, os detentores dos direitos comerciais da Fórmula 1 mantinham um acordo havia cem anos com a FIA, independente do presidente desta entidade, e isso continuaria a ser assim.

O homem-forte da categoria, no entanto, questionou o respaldo de Mosley, cujo mandato termina em outubro de 2009, para atuar no paddock da Fórmula 1 depois do escândalo.