Justiça italiana quer interrogar cúpula da McLaren

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008 15:16 BRST
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - Um promotor da Itália pediu que o chefe da McLaren, Ron Dennis, e outras figuras de peso da equipe de Fórmula 1 sejam interrogados no país como parte de uma investigação oficial a respeito da polêmica envolvendo o vazamento de dados secretos da Ferrari no ano passado.

A McLaren confirmou na quinta-feira que seus advogados "tinham recebido alguns documentos de autoridades de Modena que estão sendo analisados".

A equipe não forneceu maiores detalhes, mas o jornal italiano Gazzetta dello Sport informou na quarta-feira que o procurador Giuseppe Tibis pretendia ouvir Dennis, o executivo-chefe Martin Whitmarsh, o projetista-chefe Mike Coughlan (afastado do cargo) e o engenheiro-chefe Paddy Lowe no dia 18 de fevereiro.

O ex-engenheiro da Ferrari Nigel Stepney também constava da lista, acrescentou o jornal, mas os funcionários Jonathan Neale e Rob Taylor, da McLaren, não foram instados a comparecer porque a Justiça italiana não possuía o endereço domiciliar deles na Inglaterra.

O promotor não confirmou a notícia. E o gabinete de Tibis disse que ele estava de férias.

Os integrantes da McLaren foram notificados durante o Grande Prêmio da Itália, em Monza, no mês de setembro, de que estavam sob investigação como parte do caso envolvendo o vazamento de um dossiê técnico de 780 páginas da rival Ferrari.

A McLaren, que recebeu uma multa de 100 milhões de dólares e perdeu os pontos no mundial de construtores, desculpou-se pelo episódio e reconheceu que os dados vindos da Ferrari haviam chegado às mãos de mais membros da equipe do que tinha imaginado inicialmente.

Apesar de o caso ter sido encerrado na esfera esportiva, a Ferrari afirmou que continuaria com o procedimento jurídico iniciado contra algumas pessoas na Grã-Bretanha e na Itália.

(Reportagem adicional de Mark Meadows em Milão)