Travestis se dizem arrependidos após confusão com Ronaldo

terça-feira, 6 de maio de 2008 17:38 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os travestis que se envolveram numa confusão com o atacante Ronaldo, na semana passada, voltaram atrás nas acusações e disseram estar arrependidos, segundo o delegado Carlos Augusto Nogueira.

Os travestis Andréia Albertini e Carla Tamine estiveram na delegacia da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, na terça-feira para prestar depoimento. Na nova versão, eles afirmaram que não houve consumo de drogas nem sexo com o jogador do Milan.

"Eles confessaram hoje que mentiram sobre tudo que disseram. Não houve droga nem sexo naquela noite. Eles contaram que inventaram tudo, porque não conseguiram receber o dinheiro que pretendiam com a tentativa de extorsão", disse o delegado a jornalistas.

"Eles queriam se promover e a oportunidade era a salvação deles. Ficamos surpresos com o que foi dito... eles ficaram chateados, porque Ronaldo desistiu do programa ao ver que eles não eram mulheres", afirmou Nogueira, acrescentando que os travestis chegaram a chorar durante o depoimento.

O incidente com Ronaldo aconteceu no último dia 28. Segundo a polícia, o atleta deixou uma boate e se dirigiu a um motel com três pessoas. Depois de perceber que se tratavam de travestis, ele teria oferecido 1.000 reais para os três desistirem do programa. Dois travestis teriam aceitado o acordo, mas o terceiro, identificado como André Luiz Ribeiro Albertino, de codinome Andréia, teria cobrado 50.000 reais para que o assunto não fosse vazado para a imprensa.

Albertino disse à polícia na ocasião que Ronaldo lhe pediu para comprar drogas. O jogador negou e disse que foi vítima de extorsão.

O travesti Andréia pode ser indiciado por furto (do documento do carro de Ronaldo) e tentativa de extorsão. O atacante, que estava no Rio para se recuperar de uma cirurgia no joelho, deve prestar depoimento "na próxima semana", segundo o delegado.

Nogueira, da 16a Delegacia de Polícia, não acredita que os travestis tenham sido pressionados para mudar a versão apresentada na semana passada. "Não acredito nisso. Eles mostraram arrependimento mesmo e vieram à delegacia espontaneamente", destacou o delegado, que pretendia ouvi-los na semana que vem.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)