Cuba atribui derrota para Honduras a 'vergonhosa' deserção

sexta-feira, 14 de março de 2008 15:31 BRT
 

HAVANA (Reuters) - Cuba atribuiu sua derrota de sexta-feira para Honduras, no pré-olímpico de futebol realizado na Flórida, à "vergonhosa" deserção de sete de seus jogadores e acusou os Estados Unidos de incentivarem as fugas por meio de uma lei em vigor neste país.

Os sete jogadores da seleção enviada por Cuba ao Pré-Olímpico das Américas Central e do Norte, em Tampa, na Flórida, desertaram da delegação após o empate em 1 a 1, na terça-feira, contra a seleção norte-americana, no jogo de abertura da competição, que concede duas vagas para disputar os Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto.

"Depois de sua atuação brilhante contra os EUA, na abertura do Pré-Olímpico em Tampa, a seleção cubana sub-23 sofreu a vergonhosa deserção de sete integrantes", afirmou o Granma, jornal do Partido Comunista da ilha caribenha.

O diário, que publicou sobre o assunto uma nota curta com o título de "Golpe baixo contra o futebol cubano", assinalou que os desertores "se ampararam na Lei de Ajuste Cubano, responsável por incentivar atitudes desleais".

O jornal destacou ainda que o time entrou em campo no jogo contra Honduras com apenas dez jogadores e sem banco de reservas, para ser derrotado por um placar de 2 a 0 após resistir à pressão hondurenha durante 69 minutos.

No sábado, os cubanos devem enfrentar o Panamá, encerrando sua participação no torneio, que reúne os oito melhores times da Concacaf (confederação de futebol para as Américas do Norte e Central).

Cuba sustenta que o governo dos EUA incentiva as deserções e saídas ilegais da ilha com base em uma lei de 1966, que permite uma série de privilégios aos cubanos, entre os quais residência e permissão de trabalho para aqueles que chegam ao território norte-americano.

(Reportagem de Nelson Acosta)