COI minimiza preocupação de TVs sobre vigilância nos Jogos

quinta-feira, 5 de junho de 2008 10:46 BRT
 

Por Karolos Grohmann

ATENAS (Reuters) - O Comitê Olímpico Internacional (COI) minimizou na quinta-feira as preocupações das emissoras de TV com relação ao rígido esquema de segurança chinês sobre suas unidades móveis durante a Olimpíada de Pequim, em agosto.

As emissoras se queixam dos entraves nas negociações em torno da segurança e das licenças para a entrada e operação dos seus caminhões na China, e dizem que novos obstáculos devem surgir devido aos rígidos controles.

Os principais patrocinadores também se queixam do fato de a China ter exigido com meses de antecedência, por razões de segurança, os nomes de todos os indivíduos que estarão na cerimônia de abertura dos Jogos, em 8 de agosto.

"Discutimos a respeito disso e tivemos uma reunião com as emissoras", disse o diretor-executivo de Jogos Olímpicos do COI, Gilbert Felli, a jornalistas. "Tudo tem a ver com os procedimentos de policiamento."

Pequim teme a ocorrência de atentados durante a Olimpíada, ou então que ativistas estrangeiros tentem perturbar o evento com protestos a respeito do Tibete, de Darfur, dos direitos humanos e de outras questões. Já houve manifestações contra o regime chinês durante a passagem da tocha olímpica por várias cidades do mundo.

"Essa é uma questão complicada para os organizadores de todos os Jogos. São 2.000 a 2.500 caminhões entrando e saindo por dia. Como dá para fazer isso e ter segurança?", disse Felli, que no entanto afirmou estar confiante em uma rápida solução.

"A China está muito preocupada com a segurança. Às vezes é difícil equilibrar segurança e operação. Mas tenho certeza de que será feito."

Cerca de 100 mil policiais e 600 mil voluntários vão patrulhar instalações esportivas, hotéis e ruas no período dos Jogos, de 8 a 24 de agosto. Cidadãos com braçadeiras vermelhas ficarão encarregados de patrulhar os bairros.

Além disso, cerca de 300 mil câmeras de vigilância estão espalhadas pela cidade.