Grupo critica COI devido a controle chinês sobre mídia

sexta-feira, 30 de novembro de 2007 13:14 BRST
 

PEQUIM (Reuters) - O Comitê Olímpico Internacional (COI) não conseguiu fazer com que a China honrasse suas promessas de garantir a liberdade de expressão antes e durante os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, afirmou um grupo de defesa dos jornalistas.

Em uma carta aberta enviada ao presidente do COI, Jacques Rogge, o grupo Repórteres Sem Fronteira lembrou os casos de jornalistas estrangeiros detidos por um período breve de tempo e pressionados enquanto investigavam protestos realizados em vilarejos e outros assuntos delicados.

A China prometeu colocar de lado as tradicionais restrições à atuação dos repórteres estrangeiros antes e durante as Olimpíadas, permitindo-lhes rodar pelo país sem exigir um visto prévio concedido pelo governo -- uma regra que muitos repórteres, de toda forma, ignoram.

A medida de relaxamento entrou em vigor no começo deste ano, mas autoridades regionais e a polícia mostraram-se muitas vezes relutantes em permitir que cidadãos falassem com meios de comunicação estrangeiros sobre suas reclamações referentes a casos de terras desapropriadas, corrupção e outros.

Na carta aberta, o Repórteres Sem Fronteiras afirmou a Rogge, sem meias palavras, que o COI é o culpado por esse cenário.

"Senhor Rogge, o seu silêncio, infelizmente, fez com que todos esses abusos se tornassem possíveis", disse a carta divulgada pelo grupo em seu site (www.rsf.org) na quinta-feira à noite, conclamando-o a pressionar abertamente o governo chinês a respeito da questão.

"O fracasso em responder a esse importante desafio representaria um enorme revés na história das Olimpíadas."

No começo deste mês, o grupo Human Rights Watch também criticou o COI, afirmando que a entidade responsável pelos Jogos deveria pressionar a China com mais vigor a respeito da violação dos direitos dos jornalistas.

Nenhum representante do COI foi encontrado para manifestar-se sobre o assunto.   Continuação...