14 de Agosto de 2008 / às 09:54 / 9 anos atrás

Corrêa perde e trio de campeões mundiais leva 1 bronze no judô

Por Marcelo Teixeira

PEQUIM (Reuters) - A derrota do judoca Luciano Corrêa nesta quinta-feira, na repescagem da categoria meio-pesado, encerrou a participação dos três campeões mundiais brasileiros da modalidade na Olimpíada de Pequim com o saldo de uma medalha, o bronze de Tiago Camilo.

Luciano, Camilo e o meio-leve João Derly conquistaram títulos mundiais no ano passado, quando o Rio de Janeiro sediou o evento, mas não conseguiram repetir o desempenho em Pequim. O Mundial de judô é a segunda competição mais importante da modalidade, atrás apenas dos Jogos Olímpicos.

Nesta quinta-feira, Luciano perdeu logo na primeira rodada, para o holandês Henk Grol, por dois wazaris. Na repescagem, em que poderia chegar ao bronze, ele perdeu por ippon para o polonês Przemyslaw Matyjaszek, dando adeus à chance da medalha.

"Um bronze não é pouco", afirmou o chefe da equipe do judô na Olimpíada, Ney Wilson, que não considerou o desempenho do trio como ruim ou abaixo do esperado.

"E de qualquer maneira, nós já atingimos a meta que havíamos estipulado para o judô, de conquistar três medalhas no total (masculino e feminino)", acrescentou Wilson.

O judô brasileiro conquistou três medalhas de bronze em Pequim, por enquanto, com Ketleyn Quadros, Leandro Guilheiro e Tiago Camilo. A disputa da modalidade acaba na sexta-feira.

O bicampeão mundial João Derly (2005 e 2007) foi eliminado ao perder a luta da segunda rodada para o português Pedro Dias, e não teve chance de disputar a repescagem.

Tiago Camilo, medalha de prata em Sydney-2000, foi o campeão mundial brasileiro que teve melhor desempenho. Perdeu na terceira rodada, mas batalhou na repescagem até a disputa pelo bronze, que acabou conquistando.

O presidente da Confederação Brasileira de Judô, Paulo Wanderley, havia falado antes dos Jogos de Pequim em três medalhas como meta, mas uma delas de ouro.

Para Ney Wilson, o Campeonato Mundial e as Olimpíadas são similares em termos de dificuldade, considerando o aspecto técnico, mas os Jogos pesam mais no lado mental.

"Na Olimpíada a carga emocional é muito maior. É uma coisa que só acontece de quatro em quatro anos", disse. "Para você ter uma idéia, só um ou dois atletas conseguiram até agora repetir aqui o desempenho que tiveram no Rio".

Luciano Corrêa disse que o fato de campeões mundiais não terem repetido as conquistas nos Jogos tem mais a ver com a grande diversidade do judô atual do que com o aspecto emocional.

"Eu fiz uma preparação psicológica muito boa, acho que não foi esse fator que pesou", afirmou o judoca brasiliense.

"Camisa não ganha nada no judô. Você vê que tem atletas que nos Mundiais nunca chegaram e aqui aparecem", acrescentou ele, lembrando do desempenho do japonês Keiji Suzuki, ouro em Atenas-2004 e que foi derrotado na primeira rodada e também perdeu na repescagem em Pequim.

Edição de Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below