Agência antidoping elege diretor e adota novo código

quarta-feira, 14 de novembro de 2007 10:56 BRST
 

Por Karolos Grohmann

ATENAS (Reuters) - A Agência Mundial Anti-Doping (Wada, na sigla em inglês) abre nesta semana um novo capítulo da sua história ao eleger o australiano John Fahey para substituir seu presidente Dick Pound, durante uma conferência em Madri.

A atuação de Pound, que dirige a Wada desde a criação, em 1999, recebe muitos elogios, mas suas declarações agressivas, às vezes quase grosseiras, também lhe renderam alguns inimigos.

A Wada terá pouco tempo durante sua conferência, de quinta a sábado, para refletir sobre seus feitos, já que terá de completar uma revisão do seu código antidoping, que muitas federações esportivas consideram inadequado.

Este ano foi marcado por vários casos de doping esportivo no mundo. Essa sombra maculou a Volta da França, enquanto a velocista Marion Jones pode ser condenada à prisão e teve de devolver as cinco medalhas que ganhou na Olimpíada de Sydney em 2000. No Brasil, a nadadora Rebeca Gusmão pode perder as medalhas de ouro que conquistou nos Jogos Pan-Americanos do Rio pelo mesmo motivo.

Fahey, ex-ministro australiano das Finanças, sem experiência na gestão esportiva, é candidato único depois da desistência do ex-ministro francês dos Esportes Jean-François Lamour, para quem a Wada é "ineficaz".

O australiano, que ainda não recebeu o apoio dos participantes europeus que torciam por Lamour, admitiu que terá muito a aprender.

"Estou ansioso por trabalhar com todos os membros das autoridades públicas, inclusive os europeus", disse Fahey recentemente a um site que cobre assuntos olímpicos.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) promete apoiá-lo.

(Texto de Karolos Grohmann)