7 de Julho de 2008 / às 13:48 / 9 anos atrás

Vitória de Hamilton em casa deixa McLaren eufórica

<p>Lewis Hamilton, da McLaren, e Rubens Barrichello, da Honda, comemoram no p&oacute;dio do GP da Inglaterra, em 6 de julho de 2008. Photo by Thomas Bohlen</p>

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A McLaren alertou a rival Ferrari que a excepcional vitória de Lewis Hamilton, no domingo, em Silverstone, foi apenas o prenúncio de uma fase ainda melhor de seu piloto.

Enquanto o tricampeão Jackie Stewart manifestava admiração total pela destreza do britânico de 23 anos sob forte chuva, Martin Whitmarsh, executivo-chefe da McLaren, destacou a excelente fase de Hamilton, agora um dos líderes do Mundial de Fórmula 1.

"Esta sem dúvida, mesmo colocando no contexto e olhando para todas as outras, será uma enorme vitória, por causa das circunstâncias", disse Whitmarsh a jornalistas.

"Realmente o que fizemos na pista hoje foi incrível. Será uma daquelas corridas em que todos os envolvidos e muitas outras pessoas vão lembrar pelo resto de suas vidas, e tenho certeza de que Lewis também."

Hamilton chegou a Silverstone após dois GPs sem pontuar, e sob suspeitas de que estaria se deixando prejudicar por um excesso de compromissos publicitários e sociais.

Ele carregava ainda o estigma de uma barbeiragem, por ter deixado de ver um sinal vermelho e batido na traseira do campeão mundial Kimi Raikkonen, da Ferrari, na saída dos boxes em Montreal.

Mas diante da sua torcida, mesmo com o capacete embaçado e a visibilidade prejudicada pela água na pista, ele praticamente não cometeu falhas. Colocou uma volta de vantagem até sobre o quarto colocado, e concluiu a prova com mais de um minuto à frente do segundo, Nick Heidfeld -- uma eternidade, num mundo em que o sucesso e o fracasso são medidos em frações de segundo.

Com esse resultado, Hamilton divide a liderança do Mundial com os ferraristas Felipe Massa e Kimi Raikkonen, todos com 48 pontos. O próximo GP será em Hockenheim, na Alemanha, "casa" da Mercedes, parceira da McLaren.

Depois da corrida em Silverstone, Ron Dennis, dono da McLaren, disse aliviado que "a melhor forma de silenciar os críticos é fazer o trabalho."

Para muitos, a exibição de Hamilton no domingo lembrou o show de Ayrton Senna sob chuva no GP da Europa de 1993, em Donnington Park.

Na entrevista coletiva pós-GP, Hamilton citou Senna e também seus ídolos Nelson Mandela e Martin Luther King. Disse ainda que se sentiu muito pressionado durante a corrida, ainda mais ao ver seus adversários derrapando e rodando na pista. "Imaginem se eu estivesse 1 minuto à frente -- 60 segundos -- e saísse e não ganhasse. Não haveria como me recuperar. Seria a coisa mais constrangedora. Eu teria de me aposentar."

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below