Capello tem chance de calar a boca dos críticos como técnico da Rússia

sexta-feira, 16 de maio de 2014 11:28 BRT
 

Por Dmitriy Rogovitskiy

MOSCOU (Reuters) - Fabio Capello tem algo a provar ao liderar a Rússia em sua primeira aparição em Mundiais nos últimos 12 anos.

Os russos não conseguiram se classificar para a África do Sul há quatro anos, após perderem na repescagem para a Eslovênia, mas o italiano foi à Copa como técnico da Inglaterra.

Cheios de esperanças, Capello e sua Inglaterra tiveram um torneio que prefeririam esquecer, com o italiano, de 67 anos, levando o time a apenas uma vitória antes de ser eliminado pela Alemanha por 4 x 1 nas quartas de final, a pior derrota inglesa em Mundiais da história.

Capello foi criticado pela mídia inglesa não só por causa dos resultados ruins, mas também pela rígida disciplina a que submeteu o time no período de treinamento em Rustenbergo.

O ex-jogador da seleção italiana é um amante da arte, em especial de Wassily Kandinsky, então veio a calhar que seu próximo cargo fosse na terra natal do pintor, a Rússia.

Do seu jeito particular, Capello impôs autoridade sobre o time e, ao mesmo tempo, foi bem recebido pelos jogadores, torcedores e mídia.

Ele é certamente atento às minúcias e isso tem sido recompensador junto ao time russo. Antes bastante vazada, a defesa se tornou um muralha nos últimos 18 meses -- a Rússia concedeu apenas cinco gols nas eliminatórias. 

Ao mesmo tempo, a equipe não perdeu a chama no ataque, destacada sob o comando do holandês Guus Hiddink. No caminho que levou ao Brasil, eles marcaram 20 gols.   Continuação...