Técnico mais jovem da Copa, Lamouchi está pronto para decolar com a Costa do Marfim

sexta-feira, 16 de maio de 2014 11:47 BRT
 

ABID (Reuters) - O mais jovem entre os 32 treinadores da Copa do Mundo de 2014, Sabri Lamouchi nunca havia trabalhado no cargo antes de assumir a função de comandante da seleção da Costa do Marfim em 2012, pouco antes do início das eliminatórias africanas, mas agora, passados dois anos, ele se vê pronto para o desafio no Brasil.

A contratação do ex-jogador da seleção da França para um dos cargos mais visados do futebol africano, depois de trabalhar como comentarista na TV francesa, foi bastante controversa, especialmente porque seu antecessor, François Zahoui, havia levado o time marfinense à final da Copa das Nações Africanas meses antes. A equipe, na ocasião, acabou derrotada nos pênaltis depois de uma campanha invicta e sem sofrer gols. 

Lamouchi, de 42 anos, tem se esforçado para se afirmar no cargo, mas a vitória convincente sobre Senegal na repescagem da Copa serviu para aliviar um pouco das tensões. 

Apesar da pressão, Lamouchi tem muito claro na cabeça o objetivo dos Elefantes no Brasil. "Queremos passar da fase de grupos", garantiu à Reuters. 

"A Costa do Marfim nunca conquistou o feito antes, então este seria o resultado perfeito. Depois disso, uma vez que você se classificou para a fase mata-mata, há um sentimento de que tudo é possível. Estamos nos preparando para jogar nosso melhor futebol na Copa do Mundo."

Nascido em Lyon e filho de pais africanos, Lamouchi se tornou conhecido no Auxerre e no Monaco, antes de se transferir para a Itália, onde jogou por Parma, Inter de Milão e Genoa. 

Ele estava na equipe francesa que acabou derrotada pela República Tcheca na Eurocopa de 1996, mas foi um dos seis jogadores cortados por Aimé Jacquet do elenco que acabou vencendo a Copa do Mundo de 1998 na França. 

No comando dos Elefantes, Lamouchi tem 10 vitórias, seis empates e duas derrotas. 

Uma só vitória diante de Colômbia, Grécia ou Japão pode ser suficiente para o país avançar em um grupo que parece o mais equilibrado da Copa do Mundo no Brasil.

(Por Mark Gleeson)