Com a Colômbia, Pekerman ganha segunda chance numa Copa do Mundo

sexta-feira, 16 de maio de 2014 11:48 BRT
 

BOGOTÁ (Reuters) - O treinador da Colômbia, José Pekerman, tem experiência considerável em Mundiais de futebol, embora seus maiores feitos tenham sido obtidos no comando de seleções sub-20, levando a Argentina a três conquistas entre 1995 e 2001. 

Na sequência, o argentino, muito admirado em seu país natal, levou a seleção principal às quartas de final da Copa da Alemanha em 2006, perdendo para os anfitriões nos pênaltis, e Pekerman depois pediu demissão.

O treinador de 64 anos assumiu outra seleção em janeiro de 2012, substituindo Leonel Álvarez no comando da Colômbia, que fazia início de campanha mediano nas eliminatórias, com quatro pontos em três partidas.

A chegada de um novo técnico produziu uma reviravolta e Pekerman, que jogou durante quase metade de sua carreira como meio-campista no Independiente de Medellín, formou uma equipe forte e confiante para a sequência da competição.

O novo treinador não fez grandes mudanças, mas conseguiu extrair o melhor de um elenco talentoso através de um estilo de jogo ofensivo, influenciado pela Argentina. 

Uma das novidades foi a confiança dada a Radamel Falcao, que não era sempre titular sob o comando de Alvarez, mais defensivo. 

O parceiro de Falcao no ataque, Teófilo Gutiérrez, também ganhou uma vaga no time e passou a marcar mais gols pela seleção da Colômbia do que pelo seu clube, o River Plate da Argentina. Foram seis gols de Gutiérrez nas eliminatórias. Falcao fez nove.

Os planos de Pekerman, no entanto, sofreram um enorme imprevisto quando Falcao sofreu uma lesão nos ligamentos do joelho, em janeiro, e agora o craque colombiano luta para ficar em forma a tempo do Mundial no Brasil. 

Depois da classificação da Colômbia para a Copa, o presidente do país, Juan Manuel Santos, chegou a oferecer a nacionalidade colombiana a Pekerman, em demonstração clara do quanto ele é admirado e popular por lá.   Continuação...