No comando do Irã, Queiroz espera rir por último no Brasil

sexta-feira, 16 de maio de 2014 11:57 BRT
 

Por Patrick Johnston

(Reuters) - Os tempestuosos três anos de Carlos Queiroz no comando da seleção do Irã devem terminar depois da missão impossível da Copa do Mundo, quando irá tentar levar o time à fase eliminatória pela primeira vez e silenciar seus críticos.

Apesar de classificar os iranianos para sua quarta participação em uma Copa ao vencer a classificatória asiática no ano passado, Queiroz, que nasceu em Moçambique, viu suas táticas e escalações serem continuamente critocadas.

Mas o explosivo técnico de 61 anos jamais hesitou em suas crenças em uma carreira na qual comandou Portugal, África do Sul e Real Madrid, além de serivr como assistente de Alex Ferguson no Manchester United. Ferguson, aliás, fez raros elogios a ele.

Em sua autobiografia, lançada em outubro, o ex-chefão do United escreveu: "Carlos Queiroz foi brilhante. Simplesmente brilhante, notável. Um homem inteligente, meticuloso”.

“Ele foi bom para mim. Foi um Rottweiler. Ele chegou o mais perto que é possível chegar de ser o técnico do Manchester United sem conquistar o título.”

Não é surpresa que alguém que conseguiu cativar Ferguson tenha encarado seus críticos na mídia iraniana, lutado para ter acesso a seus jogadores junto aos técnicos de seus times e prevalecido em um discussão pública com o técnico sul-coreano, Choi Kang-hee, antes de sua última partida classificatória no campo do rival, jogo que mostrou os aspectos positicos que Queiroz levou ao combinado iraniano.

A defesa robusta conteve o criativo time da casa até o atacante Reza Ghoochannejhad, nascido na Holanda, marcar o gol na única chance dos visitantes, fazendo 1 x 0 e carimbando os passaportes do time para o Brasil.

Queiroz correu ao banco dos adversários para comemorar a vitória no jogo, cuja véspera foi dominada pela discórdia com Choi, que acusou os iranianos de mau comportamento no embate anterior.

O moçambicano continua sendo um homem apaixonado, desesperado para obter sucesso e dissipar qualquer ideia de que seja um técnico idoso tentando lucrar graças à sua experiência prévia antes de se aposentar.