Ganense Appiah será garoto-propaganda de técnicos africanos no Brasil

sexta-feira, 16 de maio de 2014 12:03 BRT
 

Por Mark Gleeson

(Reuters) - Kwesi Appiah será um dos dois técnicos africanos na Copa do Mundo do Brasil, mas, ao contrário do nigeriano Stephen Keshi, o ganense tem pouca projeção fora de seu país.

Ex-zagueiro de carreira internacional, Appiah, de 53 anos, abriu caminho entre os treinadores da Associação Ganense de Futebol e, depois de atuar como assistente e duas vezes como interino, recebeu o cargo na seleção em tempo integral em 2012.

Appiah é um garoto-propaganda de técnicos africanos em meio ao consenso crescente de que estes precisam ter mais oportunidades no comando de seleções africanas, ao invés de se contratar estrangeiros por altos salários.

Ele trabalhou como assistente de Milovan Rajevac, que levou Gana às quartas de final da Copa de 2010, e o substituiu em várias partidas antes que outro sérvio, Goran Stevanovic, fosse indicado.

O quarto lugar da Copa Africana das Nações de 2012 foi considerado um fracasso e levou à demissão de Stevanovic, quando o princípio de contratar um talento local foi finalmente aceito pela Associação Ganense de Futebol, depois de muita pressão pública.

Na sequência, Appiah conquistou com Gana o quarto lugar da Copa Africana das Nações de 2013, mas uma brilhante campanha classificatória para a Copa do Mundo eliminou qualquer ameaça a seu cargo.

Appiah passou a maior parte de sua carreira de jogador no Asante Kotoko, e com Gana ele disputou a Copa Africana das Nações de 1992, mas não foi escalado para a final, que sua seleção perdeu para a Costa do Marfim nos pênaltis.