Zico lamenta oportunidade perdida em meio ao caos da Copa

terça-feira, 20 de maio de 2014 09:00 BRT
 

Por Terry Daley

ROMA (Reuters) - O ex-astro do futebol brasileiro Zico se juntou ao coro dos descontentes com a organização da Copa do Mundo no Brasil, lamentando a oportunidade perdida de destacar positivamente o país em meio a protestos contra os recursos gastos com o evento.

Muitos brasileiros estão indignados com a quantidade de dinheiro público gasto com estádios em um país carente de serviços públicos adequados aos cidadãos em muitas áreas.

As pessoas também estão descontentes com os impostos altos e a corrupção política.

"O Brasil não conseguiu aproveitar essa oportunidade. Não houve projeto ou planejamento", disse o ídolo do Flamengo e ex-jogador da Udinese ao jornal italiano Corriere Dello Sport.

"Vamos esperar que corra tudo bem, mas quando você termina os estádios apenas poucos dias antes do evento, é inevitável que haja preocupações", disse Zico, estrela da seleção brasileira tida como favorita na Copa de 1982 e que acabou derrotada pela Itália na segunda fase. "Os estádios foram construídos em grande parte com dinheiro público e as pessoas não estão contentes com isso, já que quando os organizadores conquistaram o direito de sediar a Copa do Mundo, eles disseram que o dinheiro público seria colocado apenas nos projetos de infraestrutura."

Três vezes campeão do mundo e assessor especial do Comitê Organizador Local, Pelé disse que os protestos e os atrasos dos estádios colocavam a competição em risco e "25 por cento dos estrangeiros" já cancelaram sua viagem ao Brasil.

"O Brasil teve tempo para planejar o desenvolvimento do turismo, mas em grande parte não o fez, e a Copa do Mundo nos trouxe muito poucas coisas novas", acrescentou Zico, hoje com 61 anos.

"Os torcedores estão desanimados, preocupados. É chato porque eu queria ver meu povo feliz. Todos queríamos que fosse uma grande festa, mas simplesmente não houve a disposição adequada para organizá-la." ((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223 7146)) REUTERS FP MTS