ENTREVISTA-Caminhada de paraplégico na abertura do Mundial é apenas 1º passo, diz Nicolelis

quinta-feira, 22 de maio de 2014 14:06 BRT
 

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - Colocar um paciente paraplégico para caminhar dentro de campo e dar o pontapé inicial da Copa do Mundo no Brasil será apenas o primeiro passo de um projeto que continuará a ser desenvolvido, com o objetivo de ajudar pessoas com paralisia a andar novamente, afirmou o neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis.

À frente de uma equipe de 156 cientistas de 25 países, Nicolelis está concentrado na reta final para a demonstração na abertura do Mundial, em 12 de junho, quando um paciente paraplégico caminhará pelo campo da Arena Corinthians usando uma estrutura robótica chamada de exoesqueleto e dará o pontapé inicial da partida entre Brasil e Croácia.

"A demonstração da Copa é simbólica... Não é ciência. A ciência nós fizemos aqui (no laboratório). Está sendo feita aqui... É quase que um presente do Brasil para a humanidade, mas é só o começo, é um primeiro passo, literalmente", disse o neurocientista em entrevista à Reuters no laboratório instalado desde novembro na zona sul de São Paulo.

"O intuito, a longo prazo, de toda a rede Walk Again pelo mundo afora, é criar tecnologias que possam ser usadas pelos pacientes. Não só o exoesqueleto, existem outras tecnologias em que estamos trabalhando", acrescentou.

Todos os oito pacientes que participam do projeto já caminharam com o exoesqueleto, usando comandos cerebrais.

Eles também passaram pelo que Nicolelis chama de "treinamento cerebral" num sofisticado simulador em que os pacientes comandam os movimentos de um avatar na tela e recebem, por meio de sensores táteis, a sensação de estarem caminhando.

Para realmente deixá-los preparados para o ambiente da abertura do Mundial, o som ambiente é o de uma barulhenta torcida. Entre as torcidas ruidosas escolhidas pela equipe de Nicolelis estão a alemã e a turca.

"(A ideia) é fazer o cérebro imaginar que as pernas funcionam de novo", explica o cientista sobre o simulador, que foi testado, inclusive, pelo ex-atacante da seleção brasileira Ronaldo, numa visita que fez ao laboratório de Nicolelis.   Continuação...

 
Neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis mostra exoesqueleto em laboratório em São Paulo. 21/05/2002 REUTERS/Paulo Whitaker