“Morria de vontade” de voltar a treinar pela Argentina, afirma Demichelis

terça-feira, 27 de maio de 2014 18:28 BRT
 

BUENOS AIRES (Reuters) - O zagueiro Martín Demichelis disse nesta terça-feira que almejava voltar a treinar pela seleção argentina com a expectativa de disputar o seu segundo Mundial, para o qual espera ser convocado graças à sua experiência “europeia”.

O técnico da Argentina, Alejandro Sabella, que já reconheceu várias vezes a fragilidade defensiva de sua equipe, elogiou a grande temporada de Demichelis, de 33 anos, que sagrou-se campeão inglês pelo Manchester City.

“Morria de vontade de voltar a me envolver com tudo isso pelo tempo que for necessário. Vir a Argentina, ainda mais antes de um Mundial, é fantástico, maravilhoso, traz felicidade a qualquer um, você tem que passar por essa situação para saber vivê-la e aproveitá-la”, disse Demichelis ao canal de TV TyC Sports.

O zagueiro sofreu uma grande decepção ao ficar fora da equipe convocada para a Copa de 2006 na Alemanha, então treinada por José Pekerman, hoje técnico da Colômbia.

Mas em 2010, ele obteve uma segunda chance sob o comando de Diego Maradona e jogou como titular as cinco partidas disputadas pela Argentina no Mundial da África do Sul, onde foram eliminados pela Alemanha.

“Depois de 2010, passei por uma mudança significativa em dois campeonatos diferentes, isso te ajuda a viver experiências novas tendo (como rivais) jogadores rápidos e muito altos, e acredito que em todos os campeonatos fui aprendendo, no Espanhol, no Alemão e agora no Inglês”, disse.

“Quando me aconselharam a ir para o Campeonato Inglês, sabia que tinha que seguir jogando ao nível máximo para ter esta oportunidade, e o tempo me deu razão, tive uma grande temporada no City, onde ganhamos a Copa e o Campeonato (ingleses)”, acrescentou.

A Argentina, que busca deixar para trás quase três décadas de frustrações, está no Grupo F do Mundial, junto com Bósnia, Irã e Nigéria. No Brasil, o time de Sabella vai buscar o terceiro título depois dos conquistados em 1978 e 1986.

(Reportagem de Luis Ampuero)