Capitão Thiago Silva reconhece "pressão" por título após trauma de 1950

quarta-feira, 28 de maio de 2014 14:26 BRT
 

TERESÓPOLIS, Rio de Janeiro (Reuters) - Os jogadores da seleção brasileira estão conscientes da pressão para vencer a Copa do Mundo em casa devido ao trauma da derrota para o Uruguai na final do Mundial de 1950, na outra vez que o país recebeu a competição, afirmou o capitão Thiago Silva nesta quarta-feira.

"É uma competição diferenciada, única, podemos entrar para a história como os únicos campeões do mundo no Brasil, já que em 50 batemos na trave. Está essa pressão, se fala muito do Mundial de 50, e queremos fazer uma nova história, e uma nova história só vencendo", disse o zagueiro à CBF TV após o primeiro treino da seleção num dos campos da Granja Comary, em Teresópolis.

No treino, realizado sob frio e chuva, o técnico Luiz Felipe Scolari comandou uma atividade leve e recreativa na maior parte do tempo. Os vinte jogadores de linha participaram normalmente do treino, que teve exercícios de passe e cabeceio e depois uma brincadeira de bobinho e um jogo em campo reduzido, sem goleiros, em que só valia fazer gol de cabeça.

Segundo Thiago Silva, os jogadores sentiram alguma dificuldade para se adaptar à bola Brazuca, a mesma que será utilizada no Mundial, em especial nos lances de bola aérea.

"Para primeiro treino a equipe está de parabéns. Tem que aprimorar um pouco a bola alta, porque ela varia um pouquinho, tem que trabalhar bastante para a gente não ser surpreendido pela bola", afirmou o jogador do Paris St. Germain.

O Brasil, que estreia no Mundial em 12 de junho contra a Croácia em São Paulo, vai disputar amistosos contra Panamá e Sérvia, em 3 e 6 de junho, como forma de preparação para a Copa do Mundo.

Em 1950, o Brasil, considerado o favorito, perdeu a final para o Uruguai por 2 x 1, no estádio do Maracanã, numa derrota que ficou conhecida como "Maracanazo".

(Por Pedro Fonseca; Edição de Maria Teresa de Souza)