COL garante segurança de arquibancada temporária na Arena Corinthians para Copa

domingo, 1 de junho de 2014 21:05 BRT
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO (Reuters) - Mesmo sem ter sido testado em uma partida oficial, o setor norte da arquibancada provisória da Arena Corinthians estará preparado para receber o jogo de abertura da Copa do Mundo, disse neste domingo o Comitê Organizador Local (COL) do torneio, admitindo, porém, que haverá “uma semana e meia de muito trabalho” no estádio até 12 de junho.

“Foram feitos testes de carga... quanto a isso não temos nenhum receio, as arquibancadas estarão 100 por cento seguras”, disse o gerente-geral de integração operacional do COL, Tiago Paes, em entrevista coletiva após o empate de 1 x 1 entre Corinthians e Botafogo, neste domingo.

Segundo o governo do Estado de São Paulo, o setor norte superior não pôde ser utilizado no segundo jogo teste da Arena Corinthians porque passou por teste de resistência na semana passada e não foi vistoriado pelo Corpo de Bombeiros, o que acontecerá nesta semana.

O estádio de abertura do Mundial teve dois jogos oficiais, ambos com cerca de 37 mil torcedores, com parte das arquibancadas temporárias, que representam 20 mil lugares, vazias. Desta forma, o estádio terá sua capacidade completa, de 68 mil pessoas, utilizada pela primeira vez justamente na abertura do Mundial.

“O importante agora é que tudo está a caminho de ficar pronto. Temos uma semana e meia de muito trabalho”, afirmou Paes.

Segundo ele, o estádio vai passar por uma "vestimenta" até a abertura da Copa, mudando seu visual, ajustes de sinalização, e a finalização das estruturas temporárias e dos camarotes.

Alguns torcedores reclamaram da demora em barreiras policiais ao redor do estádio, mas as autoridades paulistas e do COL minimizaram o problema, afirmando que outros tipos de checagem de ingressos e catracas serão utilizados no Mundial.

A Arena Corinthians deveria ter sido entregue em dezembro do ano passado, prazo determinado pela Fifa, mas as obras atrasaram principalmente por causa de um acidente com um guindaste em novembro, que deixou dois operários mortos. Um outro funcionário morreu no final de março ao cair de uma altura de 8 metros enquanto montava as arquibancadas temporárias.