Austrália nega irregularidades na tentativa de sediar Copa de 2022

terça-feira, 3 de junho de 2014 11:27 BRT
 

(Reuters) - A Federação Australiana de Futebol (FFA, na sigla em inglês) negou, nesta terça-feira, qualquer irregularidade em sua fracassada tentativa de sediar a Copa do Mundo de 2022, dizendo que seu apoio a projetos de futebol no exterior foi feito de maneira transparente e sob as normas da Fifa.

A negativa acontece após alegações de corrupção relacionadas à proposta do Catar, que ganhou a disputa para sediar a competição em 2022, após o jornal Sunday Times ter informado possuir provas de que cerca de 5 milhões de dólares foram pagos a representantes da Fifa em troca de votos.

Organizadores do Catar “veementemente" negaram qualquer ilegalidade, mas depois da publicação da reportagem vêm aumentando os pedidos de que o torneio seja alterado no caso de comprovada corrupção.

O futuro do torneio agora está nas mãos do ex-promotor norte-americano Michael García, que está liderando uma investigação interna sobre corrupção no futebol, incluindo no processo de escolha que concedeu à Rússia e ao Catar as próximas duas Copas.

Em um comunicado na segunda-feira, García estabeleceu prazos pelos quais apresentará um relatório após o final da Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

Bonita Mersiades, que era a chefe de assuntos corporativos da FFA durante o processo de escolha para a Copa de 2022, disse a uma emissora australiana que as contribuições internacionais da Austrália a órgãos de futebol também precisavam ser examinadas.

“Algumas das evidências publicadas sobre o Catar eram de que algum dinheiro foi dado a projetos de desenvolvimento - nós demos dinheiro para projetos de desenvolvimento, nós demos 4 milhões de dólares para a Confederação de Futebol da Oceania para desenvolvimento de esportes”, ela disse.

“Isso aconteceu por meio do governo, e por si só não há nada errado com o desenvolvimento dos projetos de esportes, mas a questão de Michael García é: há uma votação ligada a isso?”, questionou Bonita.

(Por Amlan Chakraborty)