Brilho exclusivo de Neymar coloca pressão sobre camisa 10

quinta-feira, 5 de junho de 2014 16:58 BRT
 

Por Pedro Fonseca

TERESÓPOLIS Rio de Janeiro (Reuters) - Os próprios jogadores da seleção brasileira reconhecem abertamente: Neymar é o nome em que apostam para decidir os jogos para o Brasil na Copa do Mundo, uma pressão que o camisa 10 terá de suportar sozinho na ausência de outro nome à altura.

A vitória de 4 x 0 contra o Panamá, na terça-feira, em Goiânia, deixou evidente a importância do atacante do Barcelona para o time.

Até Neymar arrancar com a bola dominada, sofrer uma falta na entrada da área e abrir o marcador com uma cobrança perfeita, o time vinha sofrendo em campo e já ouvia as primeiras vaias das arquibancadas.

Logo depois do gol, Neymar deu um drible humilhante num zagueiro dentro da área que fez a torcida esquecer o início ruim de partida e passar a apoiar a equipe, que deslanchou.

Apesar das presenças de jogadores de destaque no futebol mundial, como Marcelo, Daniel Alves, Oscar e Hulk, só Neymar foi capaz de mudar o jogo para o Brasil, uma situação que pode voltar a se repetir na Copa do Mundo, que começa em uma semana.

"Ele é o cara que vai decidir para nós. É um jogador muito acima da média", reconheceu Fred, parceiro de ataque de Neymar e que tem o papel de ser o homem gol da seleção brasileira. No entanto, Neymar tem 31 gols em 48 jogos pelo Brasil, enquanto Fred tem 16 em 33 partidas.

Neymar passou a brilhar mais intensamente com a camisa do Brasil a partir da Copa das Confederações, no ano passado. Até então questionado por não conseguir repetir pela seleção as boas atuações que tinha pelo Santos, ele chamou a responsabilidade ao escolher a emblemática camisa 10 e correspondeu, sendo eleito o melhor jogador do torneio conquistado pelo Brasil.

Se no Barcelona Neymar passou por momentos de instabilidade, incluindo duas lesões em seu primeiro ano e alguns momentos na reserva, a primeira partida na volta à seleção mostrou que ele não perdeu o ritmo de jogo com a camisa do Brasil.   Continuação...

 
O atacante da seleção Neymar celebra gol contra o Panamá durante amistoso em Goiânia. 03/06/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino