Governo admite que “deficiências” atrapalharam preparação do Brasil

quinta-feira, 5 de junho de 2014 20:43 BRT
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, reconheceu nesta quinta-feira que “deficiências” do país levaram a dificuldades na preparação para a Copa do Mundo, que não é possível o Brasil ter um “diploma” de preparado, mas que fez o possível para realizar bem o torneio.

"Os atrasos no Brasil são atrasos que em sua maioria não estão ligados à Copa do Mundo. Que temos uma infraestrutura deficiente, que temos problemas de segurança... nós sabemos. Outros (países) têm mais nos aeroportos, metrô", disse o ministro em entrevista coletiva em São Paulo.

“O que nós procuramos foi fazer esforços para resolver alguns desses problemas, antecipar soluções”, completou.

Os preparativos do Brasil para a Copa do Mundo tiveram uma série de problemas. Dos 12 estádios, apenas dois ficaram prontos no prazo determinado pela Fifa, enquanto obras de mobilidade urbana e em aeroportos atrasaram e algumas foram abandonadas.

“Estamos em condições de realizar a Copa do Mundo de acordo com as expectativas. Não há como você retirar uma certidão e dizer estou preparado. A preparação deve ser a cada dia, em todas as áreas exigidas. Você tem que se submeter à prova todos os dias”, declarou Aldo.

“Não vou colar um diploma (de preparado) na parede... Colocamos toda a nossa energia para que as coisas ficassem próximas do esperado”, completou ele, após participar de reunião do comitê organizador do Mundial com representantes da Fifa e do Comitê Organizador Local (COL).

A uma semana da partida de abertura do Mundial, a Arena Corinthians ainda finaliza suas obras para o jogo entre Brasil e Croácia, e outros estádios, como em Natal e em Curitiba, também não estão totalmente prontos.

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, admitiu que algumas arenas ainda estão colocando assentos e outras instalando geradores e outros objetos necessários para o Mundial.

“Ainda há bastante trabalho acontecendo. Eu diria que é normal se você considerar que os estádios foram entregues atrasados. Não temo os próximos dias”, disse Valcke, para quem a primeira semana será “desafiadora”.

 
Presidente da Fifa, Joseph Blatter, ao lado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, em entrevista coletiva em São Paulo. 05/06/2014  REUTERS/Paulo Whitaker