Brasil sofre para vencer Sérvia e ouve vaias a 6 dias da estreia na Copa

sexta-feira, 6 de junho de 2014 18:28 BRT
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO (Reuters) - A seleção brasileira teve dificuldades para derrotar a Sérvia por 1 x 0 e ouviu vaias da torcida no estádio do Morumbi, em São Paulo, nesta sexta-feira, a seis dias da estreia na Copa do Mundo.

Um gol de Fred no começo do segundo tempo garantiu a vitória no amistoso, em que o time do técnico Luiz Felipe Scolari precisou suar para bater os sérvios, escolhidos para o jogo por causa da semelhança com o futebol da Croácia, adversária do Brasil na próxima quinta-feira, na Arena Corinthians, na abertura do Mundial.

O Brasil atuou pela primeira vez com a mesma equipe que conquistou o título da Copa das Confederações em junho passado, com uma vitória por 3 x 0 sobre a Espanha na final, e que deve estrear no Mundial, com as entradas de Paulinho e Thiago Silva, poupados do jogo com o Panamá, na terça-feira.

No entanto, os brasileiros mostraram lentidão na saída de bola e não conseguiram repetir o desempenho da goleada por 4 x 0 diante do Panamá, um rival mais fraco do que a Sérvia.

"Foi um jogo difícil hoje, a Sérvia se defende muito bem. O time vai treinar, está melhorando aos poucos, e a gente espera estar melhor contra a Croácia", disse o meia Oscar após a partida.

"No primeiro tempo alguns jogadores estavam errando passes que não costumam errar, mas temos certeza que contra a Croácia vai dar tudo certo", acrescentou.

A partida foi truncada, com alguns lances violentos. Logo na saída de bola, Neymar recebeu falta dura e pouco depois deixou o cotovelo em um adversário. Ainda nos primeiros minutos, Petrovic recebeu cartão amarelo por outra falta em Neymar.

O primeiro chute a gol foi da Sérvia, porém sem perigo. A seleção brasileira respondeu com Neymar após roubada de bola de Oscar, mas o chute foi desviado para escanteio.   Continuação...

 
O atacante Fred comemora o gol da vitória do Brasil por 1 x 0 sobre a Sérvia em amistoso disputado em São Paulo. 06/06/2014  REUTERS/Paulo Whitaker