9 de Junho de 2014 / às 18:34 / 3 anos atrás

CURTAS-Música, brincadeira e bom-humor: Daniel Alves acaba com monotonia das entrevistas

Daniel Alves sorri durante entrevista em Teresópolis nesta segunda-feira.Marcelo Regua

TERESÓPOLIS Rio de Janeiro (Reuters) - Um titular e um reserva comparecem diariamente à sala de entrevistas coletivas do centro de treinamento da Granja Comary desde que a seleção brasileira iniciou a preparação para a Copa do Mundo, quase sempre para fazer declarações protocolares. Menos quando Daniel Alves está atrás do microfone.

O lateral do Barcelona, de 31 anos e remanescente da equipe que disputou o Mundial de 2010, é um dos atletas mais eloquentes do grupo. Ao ser questionado em inglês por um repórter da Suécia, o jogador não se entendeu com o equipamento de tradução e precisou da ajuda do diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, e até de um repórter brasileiro para conseguir responder.

Em uma nova pergunta em inglês, dessa vez de um jornalista da China, ele ouviu atentamente através do fone e, ao final, disparou: "Esse tradutor fala chinês melhor do que inglês. Agora eu entendi tudo".

MÚSICA DA SELEÇÃO

Coube também ao lateral-direito revelar a música escolhida pelos jogadores do Brasil para embalar a disputa do Mundial: "Tá Escrito", do grupo Revelação.

Um dos líderes da batucada da seleção, Daniel Alves não conseguiu lembrar o nome da canção no momento, mas o clima de descontração era tamanho que um jornalista colocou a música para tocar em seu celular em alto e bom som durante a entrevista. "É essa aí", disse o jogador.

"A gente gosta bastante, aderimos a ela como algo para motivar, está sendo bastante utilizada, tem dado bastante sorte, espero que até o final, como foi a do Zeca, possa nos guiar para essa conquista tão desejada por nós", afirmou.

Em 2002, a seleção brasileira escolheu o samba "Deixa a Vida me Levar", de Zeca Pagodinho, como sua canção oficial na conquista do pentacampeonato mundial, também sob comando do técnico Luiz Felipe Scolari.

JÔ ERA ALVO DE CHACOTA

Antes de Daniel Alves falou o atacante Jô, que durante a maior parte da entrevista repetiu o protocolo de que está na seleção para ajudar o time a alcançar seus objetivos.

O atacante reserva do Brasil só mudou a resposta quando perguntado sobre sua ligação com Itaquera, bairro paulistano onde foi criado e onde será disputada a partida de abertura da Copa do Mundo, entre Brasil x Croácia, na Arena Corinthians, em 12 de junho.

"É um sentimento único. Ali realmente onde foi construído o estádio eu passei uma parte da minha infância", disse, lembrando ter sido alvo de piadas na infância porque o Corinthians, seu time, não tinha estádio. "Fui chacota por ser corintiano e toda vez que ia assistir aos jogos não era no estádio do Corinthians."

Por Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below